Google tem grande ideia para resolver os problemas da câmara frontal

Bruno Coelho
Comentar

Uma das grandes lutas das fabricantes de smartphones prende-se com a presença da câmara frontal a ocupar parte do ecrã. Seja sob a forma de notch, punch-hole ou mecanismo rotativo, esta é ainda presença assegurada na maioria dos equipamentos.

Poucos ousaram apostar numa tecnologia ainda verde - colocar a câmara frontal debaixo do ecrã. O primeiro smartphone a chegar com essa possibilidade foi o ZTE Axon 20, que apresentou resultados duvidosos.

Mas a Google parece ter uma grande ideia, que pode ser a solução ideal para garantir qualidade nas câmaras e privacidade junto dos utilizadores. A tecnológica de Mountain View registou uma patente para uma câmara frontal debaixo do ecrã que pode ser estreada no seu primeiro smartphone dobrável ou no Pixel 7.

Google pretende esconder a câmara frontal quando não está a ser usada

Aparentemente, esta câmara frontal ficaria em frente a um pequeno segundo ecrã com um prisma entre os dois. Dessa forma, quando a câmara é necessária, o prisma balança para a revelar. O mesmo prisma permite também esconder a câmara quando não é necessária, garantindo assim a melhor qualidade no ecrã e também a segurança do utilizador.

google
Ideia da Google para a câmara frontal debaixo do ecrã. Crédito: LetsGoDigital

Como podes ver nos esquemas colocados em prática pelo LetsGoDigital, o módulo acaba por ocupar cerca de 3mm no ecrã, tendo ao lado aquilo que deverão ser sensores de proximidade, ambiente e infravermelhos.

Com o Pixel 6 à porta, e já com alegadas imagens do equipamento a surgir online, parece impossível acreditar que a tecnologia esteja pronta para esse equipamento. Mas com um suposto dobrável da Google a caminho ou mesmo no Pixel 7 em 2022, tal poderá ser uma realidade.

Até lá deverão certamente surgir soluções melhoradas de câmaras debaixo do ecrã de outras fabricantes.

Editores 4gnews recomendam:

Bruno Coelho
Bruno Coelho
Vive entre a paixão pela escrita, a música e a tecnologia. Licenciou-se em Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior em 2015, e fez parte da equipa que fundou o Jornal de Belmonte. Produziu vários podcasts independentes pelo caminho. Come especificações ao pequeno-almoço.