A Samsung e o seu Galaxy Note 7 formam uma bela história. Este phablet poderia ter sido um dos smartphones do ano e, não fosse o problema que já todos sabemos, então teria sido um sucesso de vendas garantido.

Porém, a história não foi bem assim. O Note 7 teve aquela adversidade famosa e, entretanto, a empresa coreana foi tomando medidas de forma a que os compradores do mesmo o devolvessem. Embora a percentagem de devoluções tenha chegado a 90%, o único senão é que ainda há quem o utilize diariamente, principalmente na Coreia.

   

Pois é, ainda há cerca de 140 000 unidades deste phablet nas mãos de coreanos que, até aqui, não quiseram devolver o seu Note 7 em prol de um S7 Edge, por exemplo. Deste modo, e sob pena de, por ventura, acontecer algum desastre com um desses utilizadores, a Samsung irá mesmo tomar medidas.

Depois de ter lançado uma atualização para os Estados Unidos da América – onde o smartphone era desativado – e outra na Europa – que limitava o carregamento da bateria a 30% da mesma -, chegou a vez da Coreia. Assim, se até aqui era possível carregar o Galaxy Note 7 até 60%, agora será menor e, quem sabe, se será mesmo possível, uma vez que a Samsung planeia até, desativar as unidades ainda em circulação, passe a expressão.

Vê também: Samsung Galaxy S8 com 8GB de RAM?

Este é o efeito de um smartphone que, não tendo tido um final feliz, continua a merecer a devida atenção pelo facto de haver consumidores que o querem como o seu smartphone diário. Isto claro, mesmo tendo em atenção todas as cláusulas no seu uso – como estas da bateria – que são, de todo, incomodativas. Porém, não há mais nada a fazer a não ser esperar pelo próximo flagship da Samsung.

Talvez queiras ver:

Super Mario Run: Lucros e popularidade do jogo começam a cair

Android 7.0 Nougat chegará em breve ao Xiaomi Mi Mix

Galaxy C5 Pro mostra as suas especificações na TENAA