Caos e confrontos na China agravam escassez dos Apple iPhone 14

Rui Bacelar
Comentar

A escassez dos telemóveis Apple não dá sinais de melhoria. Muito pelo contrário, aliás, assistimos agora a relatos preocupantes oriundos da China com imagens chocantes à porta das principais fábricas da Foxconn e outras linhas de produção.

Em causa está, mais concretamente, a fábrica de Zhengzhou, a maior linha de montagem dos Apple iPhone 14 na China que, devido às pesadas restrições sanitárias enquadradas nos esforços de contenção da COVID-19, levam ao fecho compulsivo das fábricas.

Fábricas paradas devido às medidas sanitárias impostas na China

Latest from #Foxconn: Tens of thousands of workers in the #iPhone city in #CCPChina are currently waiting in line to leave, because tonight #Zhengzhou will be locked down. If they do not leave before that, they will not be able to leave at all.#FoxconnRiot pic.twitter.com/judDvwkX89

— Jennifer Zeng 曾錚 (@jenniferzeng97) 24 de novembro de 2022

Em seguida, ilustramos o artigo com vários vídeos e relatos divulgados através da rede social Twitter, levantando um pouco do véu pesado que cobre a China. Aí podemos ver os trabalhadores em confrontos com os oficiais de segurança.

20 buses of armed police were transferred from Luoyang city to crackdown on #Foxconn workers after they tried to break out of the #iPhone City in #Zhengzhou #CCPChina. See my previous tweets for more. pic.twitter.com/GWp02xWtDP

— Jennifer Zeng 曾錚 (@jenniferzeng97) 23 de novembro de 2022

A situação é preocupante com vários trabalhadores a perder a contenção e tentar forçar a entrada nas fábricas após terem saído das mesmas. Por outro lado, os trabalhadores em funções foram obrigados a permanecer nas instalações, não as podendo abandonar.

Trabalhadores forçados a permanecer nos dormitórios das fábricas da Foxconn

1/2 Latest from #Foxconn in #iPhone city in #Zhengzhou: Newly recruited workers fiercely fight with security guards as they try to storm out of the factory. Reason: Foxconn tried to recruit about 100K new workers after a lot escaped a while ago. New workers were told they would pic.twitter.com/XsVzVT7N7r

— Jennifer Zeng 曾錚 (@jenniferzeng97) 22 de novembro de 2022

Acima podemos ver os confrontos entre trabalhadores e oficiais de segurança quando centenas de colaboradores forçam o cordão policial para sair das fábricas. Importa frisar que parte desta massa laboral havia sido recentemente contratada pela Foxconn para tentar mitigar a escassez dos Apple iPhone 14.

Porém, confrontados com a obrigatoriedade de permanecerem exclusivamente nas instalações da Foxconn, novamente com a justificativa sanitária de contenção da COVI-19, os trabalhadores chegaram ao ponto de exaustão. O resultado? Uma fuga em massa da fábrica em questão e respetivas instalações anexas.

Fugas em massa das fábricas em autêntico cenário de caos

According to this interview with a #Foxconn worker who was involved in the riot by @whyyoutouzhele, more than 10 workers already died during the riot. This worker personally saw two workers lying on the ground dead. Many workers agreed to take 10K & leave.https://t.co/bKdWqTGkQz

— Jennifer Zeng 曾錚 (@jenniferzeng97) 23 de novembro de 2022

O cenário é de caos junto das principais fábricas dos Apple iPhone 14. Fruto das imposições sanitárias, aliadas à escassez de unidades produzidas para dar resposta às necessidades de mercado, criaram-se condições incomportáveis para os trabalhadores.

Dispostos, literalmente, a arriscar a vida para separar trabalho de vida pessoal, as notícias oriundas da China são de profundo pesar e sincera consternação. As imagens podem chocar alguns leitores, pelo que deixamos esta advertência.

A "cidade do iPhone" refere-se ao maior complexo de produção de smartphones na China

Dozens of #CCP police surround and kick a #Foxconn worker during the latest #iPhone city riots. Newly recruited Workers found they were cheating and wanted to go home. See my previous tweets for more details. pic.twitter.com/9t1SYShgTv

— Jennifer Zeng 曾錚 (@jenniferzeng97) 23 de novembro de 2022

A situação afeta naturalmente a capacidade de produção dos novos Apple iPhone 14. Aliás, de acordo com a própria Apple, a crise laboral afetará ainda mais o volume de unidades disponíveis no mercado.

Portanto, se estão a pensar comprar um novo Apple iPhone 14, sobretudo os modelos Pro, a tempo do Natal, poderão ter algumas dificuldades também em Portugal.

Workers went back to factory after they clashed with police. “Down with #Foxconn! Finish Foxconn!” They shouted while walking. At #iPhone city in #Zhengzhou #CCPChina. See my previous tweets for more. pic.twitter.com/UwrVYJ3V1q

— Jennifer Zeng 曾錚 (@jenniferzeng97) 23 de novembro de 2022

Editores 4gnews recomendam:

Rui Bacelar
Rui Bacelar
Na escrita e comunicação repousa o gosto, nas leis a formação. Ocupa-se com as novidades de tecnologia na 4gnews. Email: ruifbacelar@4gnews.pt