Ao comprar através dos nossos links, podemos receber uma comissão. Saiba como funciona.

Asus Vivobook Pro 16x OLED review: o portátil que mostra as maravilhas do ecrã OLED

Mónica Marques
Mónica Marques
Tempo de leitura: 8 min.

imagem do Asus Vivobook Pro 16x OLED aberto

Asus Vivobook Pro 16x OLED
★★★★☆4Bom

O Asus Vivobook Pro 16x OLED é um excelente substituto de desktop pelo seu desempenho de qualidade, mas também pelo seu peso pouco transportável e pela sua autonomia melhorável. Mas é o ecrã OLED de 16 polegadas que conquista até os corações mais céticos. Estamos perante uma verdadeira máquina de produtividade e de entretenimento, desde que exista um orçamento superior a 2.000 euros para o adquirir.

Prós
  • Ecrã OLED excecional
  • Bom desempenho
  • Rico em conectividade
  • Ventilação competente e silenciosa
  • Teclado confortável e também silencioso
Contras
  • Autonomia com espaço para melhorar
  • Peso pouco transportável
  • Preço

A Asus é, sobretudo, conhecida pelos seus portáteis direcionados para a área gaming, mas a marca taiwanesa tem também opções mais vocacionadas para a produtividade e criatividade, como é o caso do Vivobook Pro 16x OLED.

Este portátil, aliás, está preparado para substituir qualquer desktop, não só pelas suas especificações técnicas que lhe conferem um desempenho com qualidade Asus, como também pelo maravilhoso ecrã e peso.

imagem Asus Vivobook Pro 16x OLED

Processador: Intel Core i9-13980HX
Ecrã: OLED de 16 polegadas
RAM: 32 GB
Armazenamento: 1 TB SSD
Gráficos: NVIDIA GeForce RTX 4060
Resolução: 3200x2000 pixéis
Taxa de atualização: 120 Hz
Conectividade: USB-A, Thunderbolt 4, HDMI, Áudio 3,5 mm, Ethernet, Bluetooth 5.3, Wi-Fi 6E
Peso: 1,9 Kg

Partilho agora contigo a minha experiência com este modelo Vivobook que me acompanhou nas últimas semanas, tanto no horário de expediente como nos momentos de puro lazer.

Design robusto e pouco transportável

imagem do portátil Asus Vivobook com o carregador

Assim que retiramos o Asus Vivobook Pro 16x OLED da caixa sentimos logo o seu peso de 1,9 quilos. Este é um dos atributos que o elevam a substituto de desktop. A parte portátil está garantida, mas só para ocasiões realmente importantes. Até porque se juntarmos a este transporte o carregador deste modelo, o peso será ainda menos transportável.

Pelo lado positivo, este Vivobook exibe uma construção robusta que se sente em qualquer interação que tenhamos com o modelo. Esta robustez é confirmada pela certificação US MIL-STD 810H (norma militar) que consta na folha de especificações e que assegura a sua resistência ao pó e choques, eu diria que violentos, se tivermos a coragem de o colocar à prova.

Não é propriamente um portátil elegante, o chassis está construído em plástico (30% reciclado) e não no sedutor monobloco de alumínio que costumamos ver nos modelos premium. Mas também não considero que esse seja um defeito. Este portátil não foi feito para puxar pelas emoções, mas antes para conquistar o lado mais pragmático dos utilizadores que necessitam de algo robusto em resistência e em desempenho.

imagem do painel inferior do Asus Vivobook

Na zona inferior, conta com apoios localizados em áreas cruciais que quase que o colam à superfície onde está colocado. Aqui, um pequeno apontamento de design excêntrico com dois dos quatro apoios pintados por um laranja ostensivo.

Ainda nesta zona inferior está uma grade de ventilação que ocupa mais de metade da base e que, também pela sua área generosa, nunca deixa que o modelo atinja temperaturas elevadas.

Teclas de cores diferentes e touchpad enorme

imagem do teclado do Asus Vivobook

Olhando para o teclado deste Vivobook há um conjunto de teclas que se destacam, por estarem “pintadas” com uma cor diferente. Como podes ver na imagem, a escolha não é aleatória e tem um objetivo prático e útil: orientar o utilizador para visualizar logo algumas das teclas mais utilizadas no dia a dia.

Com esse objetivo em mente, a tecla Enter assim como a Escape destacam-se ainda mais por terem um design único em todo o teclado. Pensei que esta diferenciação podia atrair demasiadas vezes o olhar, durante a utilização do teclado, mas na verdade isso não acontece.

imagem da tecla Escape do Asus Vivobook

Pelo contrário, este design único serve bastante bem o propósito de facilitar a visualização da tecla, especialmente no que se refere ao Escape. Convenhamos que a tecla Enter é utilizada tantas vezes que já não precisamos de guias, mas em muitos teclados a tecla Escape – apesar de estar sempre localizada no mesmo sítio – tende a desaparecer. Aqui tem lugar de destaque e nunca está perdida.

Outro ponto a favor deste teclado é que é dos mais silenciosos que já usei. Por muito entusiasmo que confiras ao teclar, nunca vais ouvir aquela espécie de martelar frenético. Esta característica é muito bem-vinda, mesmo que o utilizador trabalhe sozinho. Agora imagine-se se todos os locais de trabalho pudessem usufruir deste silêncio. Destaque ainda para a retroiluminação do teclado que funciona bastante bem

Outro ponto positivo é o touchpad. A área é enorme e, por isso, há imensa liberdade de movimentação para deslocar o rato no ecrã de um lado para o outro, sem qualquer problema e sem puxar demasiado pelo pulso.

Este teclado tem um pormenor de excelência. O botão On/Off funciona também como leitor de impressões digitais. Essa configuração é bastante simples, visto que apenas solicita que o dedo seja colocado em várias posições para o sistema reconhecer a impressão digital.

Recomendo vivamente que se invista tempo a configurar esta funcionalidade. Na utilização diária, dá mesmo muito jeito colocar o dedo neste botão para termos acesso imediato à área de trabalho. Dispensa password e, por isso, evita enganos na autenticação que só fazem perder tempo e, especialmente, a paciência.

Muito bom em produtividade e o melhor companheiro no entretenimento

imagem do site 4gnews no ecrã do Asus vivobook

São vários os testes benchmarking feitos ao Vivobook Pro 16x OLED e em, praticamente todos, o modelo obtém resultados bastante bons que refletem a qualidade a que a Asus já nos habituou neste segmento de mercado. Pessoalmente, não faço estes testes, prefiro ver o desempenho do portátil na minha rotina diária, seja a trabalhar ou em momentos de lazer. Afinal, é exatamente isto que o utilizador comum faz.

Esta é uma verdadeira máquina de produtividade. Lida bem com qualquer tarefa, por muito que esta seja exigente. O processador Intel Core i9 aliado aos 32 GB de RAM fornece um desempenho rápido, em tudo eficiente e versátil. Seja a trabalhar em programas específicos para lidar com imagens ou numa navegação por dezenas de páginas Web abertas em simultâneo, tudo decorre às mil maravilhas.

A cereja no topo do bolo é que o sistema de ventilação nunca deixa este modelo aquecer. Nem sequer ficar mais do que “morno”. Não se engasga e gosta de trabalhar em qualquer coisa. Pelo menos, comigo nunca se queixou. Outra vantagem é que a ventilação é silenciosa. Não se ouve sequer um “pio” do trabalho árduo que está a fazer. Parabéns, Asus!

Destaque para a conectividade deste modelo. Está equipado com duas portas USB-A, duas Thunderbolt 4, uma HDMI 2.1, uma entrada de áudio 3.5 mm e ainda Wi-Fi 6E e Bluetooth 5.3. Pode ser ligado a qualquer outro equipamentos high-tech que tenhamos em casa.

Autonomia: o calcanhar de Aquiles deste portátil

imagem do carregador do Asus Vivobook

É com a autonomia deste portátil que sentimos à séria a sua veia de desktop. Estamos a falar de menos de cinco horas em modo trabalho; aguentou quatro horas e meia antes de se queixar. E estamos também a falar de menos de cinco horas no entretenimento. Consegue quatro horas e 15 minutos no modo vídeo.

Notoriamente, todo o seu hardware e competência estão a drenar a bateria. Seja utilizado em casa ou fora desta, é melhor ter sempre o carregador à mão. E atenção, tal como já referi, o carregador também tem o seu peso, o que significa que não vamos transportar apenas 1,9 quilos, mas antes mais de dois quilos em qualquer deslocação que façamos com este portátil.

Ecrã: o melhor argumento deste portátil

imagem de uma série televisiva no ecrã do Asus Vivobook

Comecemos por descrever as especificações técnicas deste ecrã. São 16 polegadas OLED que fornecem uma resolução de 3200x2000 pixéis, uma taxa de atualização de 120 Hz, um brilho máximo de 600 nits, o,2 ms de tempo de resposta e 100% DCI-P3.

Cada um destes pontos é gloriosamente cumprido por este ecrã excecional. É um regalo para os olhos e, quando mudamos para outro portátil, sentimos saudades deste painel. As cores são ricas, o detalhe e nitidez das imagens são apaixonantes e a exibição suave e rápida uma beleza para quem gosta de ocupar os seus tempos livres com filmes, séries ou videojogos.

Este ecrã OLED de 16 polegadas é o melhor argumento deste Vivobook. Nota ainda para o suporte Dolby Vision que funciona como uma boa vantagem para ver filmes e séries.

Conclusão

Estamos perante um portátil pragmático que foi concebido para conquistar pela racionalidade e não pela emoção. Tal reflete-se no seu design sem alumínio e robusto, no seu bom desempenho, no seu muito competente sistema de ventilação e no seu teclado agradavelmente silencioso.

Só puxa pela emoção quando vimos este fantástico ecrã OLED em funcionamento. A nitidez, detalhe e cores ricas vão conquistar até os corações mais resistentes.

O seu grande senão é a autonomia. Não cumpre cinco horas sem pedir para ser ligado à eletricidade e, tendo em conta que se trata de um portátil, este não é um tempo extraordinário. Também o seu peso em conjunto com o peso do carregador não o fazem tão transportável quanto seria de desejar.

Mas este é o portátil ideal para os utilizadores que querem um portátil a fazer às vezes de um computador desktop. A portabilidade, quando mesmo muito necessária, está garantida, e o desempenho seja em produtividade ou em entretenimento é uma certeza. Graças ao ecrã concedi-lhe as quatro estrelas, afinal o meu coração não conseguiu resistir aos encantos deste OLED tão sedutor.

imagem Asus Vivobook Pro 16x OLED

Processador: Intel Core i9-13980HX
Ecrã: OLED de 16 polegadas
RAM: 32 GB
Armazenamento: 1 TB SSD
Gráficos: NVIDIA GeForce RTX 4060
Resolução: 3200x2000 pixéis
Taxa de atualização: 120 Hz
Conectividade: USB-A, Thunderbolt 4, HDMI, Áudio 3,5 mm, Ethernet, Bluetooth 5.3, Wi-Fi 6E
Peso: 1,9 Kg

Editores 4gnews recomendam:

Mónica Marques
Mónica Marques
Como jornalista de tecnologia assistiu à chegada do 3G e outros eventos igualmente inovadores no mundo hi-tech ao longo de mais de 20 anos de carreira. monicamarques@4gnews.pt