Apple iPhone X Android 2018 1
Este é o primeiro e não será o último clone. Preparem-se para 2018

Depois de há alguns dias atrás termos visto o primeiro clone do Apple iPhone X já com o sistema operativo Android no mercado, as minhas suspeitas começaram a verificar-se. Se 2017 ficou marcado pela abolição das margens ou bezes dos dispositivos. Vimos também as dual-câmaras, a abolição dos jack’s e pela utilização de display’s com formato 18:9. Agora, acredito piamente que 2018 será o ano em que mais e mais Android’s vão seguir o notch.

Vê ainda: Xiaomi Mi 7 trará o Snapdragon 845 da Qualcomm e um belo ecrã OLED

Tão virtuoso como um penteado mal importado, qual samurai europeu com o “puxo” ou rabo-de-cavalo que nunca cresceu o suficiente, temo que em 2018 mais e mais Android’s utilizem a “notch” só porque o iPhone X também a tem. Aliás, depois de ter visto a OPPO a lançar o primeiro clone do iPhone nem tive que esperar até 2018 para ver outro clone oriundo da China.

Depois do primeiro clone do iPhone X, eis o segundo…e não teremos que esperar muito pelo 3º, 4º, 5º…

Não, este não é o Android que precisamos. Se é ou não o Android que queremos isso já fica ao critério de cada consumidor. Contudo, enquanto entusiasta de tecnologia e utilizador da plataforma Android acredito que esta postura só venha desvirtuar o sistema da Google.

É a ausência de criatividade, é a profunda hipocrisia de tantas construtoras Android que não perdem meia hipótese para criticar os produtos de Cupertino e depois inundam o mercado com cópias baratas. Agora que penso, será que há espaço no mercado dos dispositivos móveis para um pingo de vergonha?

Sei que, devido à sua imensa influência, inacreditável popularidade e aura dourada que do iPhone emana, o iPhone X representa o fruto proibido para qualquer construtora Android. Sobretudo para as construtoras de baixo custo que apenas querem sobreviver neste mercado cada vez mais sem escrúpulos.

Chateia-me a falta de originalidade. A necessidade de imitar. A banalização, a vulgaridade – mas agora até eu estou a ser hipócrita, o meu smartphone é uma cópia de um OPPO qualquer, ou de um iPhone 7 Plus. Bem, adiante.

O que há para além do Apple iPhone X no mercado?

O clone que agora nos chega via techdroider é feito pela marca Little Pepper mas podia ser feito por uma Ulefone da vida, uma Doogee, e sei lá mais quantas construtoras de baixo custo que em 2017 inundaram o mercado com os seus “tudo e mais alguma coisa MIX”. Sim e também com os MIX’s 2″.

Caramba, já vi mais originalidade na plataforma de vídeos da Google na forma como abrem caixas do que em muitas marcas Android. Precisamos de novas ideias, de novos topos de gama Android capazes de afastar algumas atenções do Apple iPhone X.

Não o digo por mal. Sem querer ofender qualquer marca ou consumidor. Digo-o por começar a conhecer de perto o modus operandi do mercado mobile. De um lado temos uma, duas, no máximo três marcas líderes.

Do outro temos uma grande divisão – os eremitas e os/ as seguidoras (ovelhas). O ermita é fiel à sua ideologia, à sua filosofia de mercado. Veja-se uma Motorola ou uma Sony e até mesmo uma BlackBerry. O outro grupo, as ovelhas limitam-se a seguir as líderes com os seus produtos mais ou menos iguais ao Apple iPhone X ou a um Galaxy S.

Em 2018 não faltarão no mercado “alternativas” Android ao Apple iPhone X

Note-se, escrevo-vos por antecipação. Já vi demasiadas vezes este roteiro para saber como será a sequela.

Daqui a poucos meses estamos a dar conta dos smartphones da “marca genérica” X com mecanismo de reconhecimento facial. Ou simplesmente Face ID porque nem isso algumas se vão dar ao trabalho de mudar.

Em jeito de conselho a estas marcas, se querem mesmo utilizar o notch, algo que a meu ver é esteticamente imperfeito, ao menos aproveitem esse espaço, dêem-lhe alguma utilidade!

É apenas um desabafo ao final de mais um dia e sei bem que o Android é um sistema de fonte aberta, um sistema operativo livre – e ainda bem que assim o é! Entendo sinceramente o apelo do iPhone X e o seu poder de atrair multidões mas, será que vale tudo?

Espero que o mercado Android me surpreenda em 2018

Em suma, e respeitando a liberdade de opinião de cada um, não consigo ver com bons olhos esta prática cada vez mais generalizada da cópia barata. Este esforço mínimo em copiar e colar e chutar para o mercado. Se bem que isto poderia ser dito de tanta outra coisa…

Em 2017 tivemos o ecrã sem margens / bezels. Em 2017 tivemos a generalização do formato 18:9. Em 2017 tivemos o desaparecimento do jack de 3.5mm. Em 2017 tivemos belos ecrãs. Em 2017 tivemos a câmara dupla.

Sony Xperia R1 Plus Android mercado Apple iPhone X
O design dos seus smartphones permanece marcadamente seu.

Vamos, esforcem-se um bocado para 2018. Oxalá a Samsung consiga tirar um belo “coelho da cartola”. Esperemos que seja suficientemente forte para que as demais marcas tentem acompanhar ambas as construtoras.

Originalidade precisa-se. Caso contrário 2018 será um hino ao Apple iPhone X

Ou então continuamos a ter a Sony, obtusa e fiel ao seu design OmniBalance. Goste-se ou não da sua filosofia de design pelo menos é seu. Volta Sony, estás perdoada!

Pelo menos não olham para o lado sem vergonha. Sem se aperceberem de que ficam cada vez mais parecidas umas com as outras. Para além de uma UI, ou de um nome que rimará com Apple iPhone X, o que as distinguirá?

Ansiosos por 2018? Pela tempestade de alternativas de baixo custo ao Apple iPhone X? Pela enxurrada de Android’s equipados com a notch como se tal fosse motivo de orgulho? Na melhor das hipóteses com um processador MediaTek no seu interior? Sinceramente dispensava-se. Sinceramente, espero estar errado.

Assuntos relevantes na 4gnews:

Nokia – um autêntico exemplo a ser seguido nas atualizações do Android

Android Oreo – atualização oficial chegará a todos estes Samsung Galaxy

OnePlus 5T passa por teste aquático em vídeo e sobrevive!

Viatechdroider
Quando não está a escrever um artigo ou a gravar algum vídeo, o Bacelar tem por hábito saborear um bom livro, descobrir novas bandas sonoras ou simplesmente desfrutar do sol, na companhia de quem mais gosta (MM).