O Xavier para além de malicioso é bastante sofisticado | Malware
O malware é cada vez mais um problema sério

O Malware é um problema que parece não parar. A cada dia que passa mais aplicações mostram problemas de invasão da privacidade do utilizador e consequentemente prejuízos para os mesmos que podem atingir escalas inimagináveis.

Qualquer pessoa está vulnerável a que tal situação aconteça, aliás, ainda ontem o meu iCloud tentou ser invadido na China o que me levou a alterar tudo o que é passwords cá em casa.

Vê ainda: UMIDIGI Z1 Pro oferece uma bateria de 4000 mAh com menos de 7mm

   

O sistema Operativo Android parece ser aquele que mais sofre com isto. Embora seja um sistema livre, que deixa aos desenvolvedores e utilizadores dar asas à sua imaginação na personalização, é também neste sistema operativo que mais problemas nos deparamos quando falamos de malware.

Malware nas apps tem sido uma dor de cabeça para a Google e Apple nos últimos anos

No ano passado uma aplicação na PlayStore de “Guia para o Pokémon Go” infetou cerca de meio milhão de utilizadores com um código de nome “Ztorg”. Este código, inserido na aplicação, dava acesso remoto aos hackers de forma a fazer root ao teu equipamento e posteriormente aceder a tudo e mais alguma coisa no smartphone.

Os investigadores da Kaspersky detectaram o exploit e a Google retirou a aplicação da PlayStore em conjunto com mais algumas cenas que tinham o mesmo código.

Uma das aplicações com malware
Uma das aplicações com malware

Por momentos parece que tudo ficou bem, contudo, alguns desenvolvedores com vontade de saber mais da vida alheia instalavam outro tipo de código malicioso nas “aplicações saudáveis” e submetiam para atualização.

O utilizador, que até tinha uma aplicação sem problemas, depois da atualização da mesma acabou por se infetar mesmo sem saber.

Hoje, mais duas aplicações foram apanhadas com código problemático para o utilizador. Embora não seja tão mau quanto o Ztorg, estas apps incluíam um código na atualização que permitia os hackers remotamente aceder às mensagens do consumidor. Ou seja, não só a tua privacidade era invadida, como também podiam enviar mensagens para números com taxas adicionadas e receber bom dinheiro com isso.

Não foi referido se os hackers conseguiram ou não roubar utilizadores. A Google já tirou as aplicações da PlayStore, contudo, mais de 60 mil pessoas tinham estas apps instaladas no seu dispositivo.

Isto é uma situação problemática que nos leva seriamente a pensar que tipo de apps devemos instalar no smartphone. Assim sendo, toma cuidado, faz uma pesquisa sobre as aplicações antes de as instalar e tenta acima de tudo não guardar dados sensíveis no teu smartphone.

Outros assuntos relevantes:

Xiaomi Mi 6 Review | O smartphone que não deves deixar passar

Samsung Galaxy Note 8 poderá ser chegar mais cedo do que esperado

Vídeo mostra que construir um smartphone não é pêra doce