YouTube vai alterar a forma como as empresas de música reivindicam direitos de autor

António Guimarães
Comentar

O YouTube anunciou que empresas discográficas já não poderão recolher as receitas de vídeos que contenham excertos curtos de música. Anteriormente, vídeos que contivessem música com direitos de autor teriam as suas receitas totais direcionadas para os proprietários, mesmos que fossem uns segundos.

Além disso, existem empresas que ainda fazem reivindicações fraudulentas com músicas que não lhes pertence. O YouTube alterou ainda as regras de forma a que as empresas tenham de providenciar o tempo específico onde a sua música aparece.

Os criadores terão ainda acesso a uma ferramente de recorte no Creator Studio para retirar o áudio e poder restabelecer monetização ao vídeo. O YouTube afirma que espera desencorajar tais actividades ao retirar o incentivo financeiro às empresas.

Empresas continuam a poder reivindicar vídeos transgressores

Apesar da mudança, as empresas vão poder continuar a marcar ou desmonetizar vídeos que considerem violadores dos seus direitos de autor. Apenas não poderão recolher receitas dos mesmos.

A verdade é que a maioria das reivindicações de direitos de autor vem do sistema automático do YouTube. Este reconhece automaticamente se o teu vídeo possui músicas com direitos, colocando os devidos avisos ou retirando a monetização.

Editores 4gnews recomendam:

Comentar
António Guimarães
António Guimarães
Juntamente com os seus atuais companheiros Mi A2 e Surface Go, batalha para elucidar as massas sobre todos os acontecimentos da esfera tecnológica. "Informação é poder" é a frase que o acompanha diariamente. Talvez um dia a coloque numa t-shirt.