Xiaomi quer bater Apple e Samsung em smartphones até 2024, eis como o fará

Rui Bacelar
Comentar

A Xiaomi tem grandes planos para o seu futuro próximo. Em apenas 3 anos quer ultrapassar a rival norte-americana, Apple, bem como a atual líder do mercado de smartphones, a sul-coreana Samsung. Para tal, a fabricante liderada por Lei Jun tem um sólido em marcha cujas principais etapas já conhecemos.

A audaz intenção foi divulgada pelo próprio CEO da fabricante chinesa, Lei Jun, durante a apresentação da nova gama de smartphones Xiaomi 12 no passado dia 28 de dezembro. Aí, o executivo partilhou um pouco da estratégia por si delineada para o futuro da marca.

Ultrapassar a Apple e Samsung no mercado de smartphones em 3 anos

Importa notar que já no início deste ano de 2021 a Xiaomi ultrapassaria a Apple em volume de vendas, ainda que momentaneamente, o prenúncio foi positivo. Tal facto, salientado por Lei Jun, mostrou que a sua empresa chegar ao segundo lugar neste mercado.

Agora, contudo, o executivo reiterou o compromisso em fazer todos os possíveis para que a sua Xiaomi não só ultrapasse a Apple, mas também a Samsung, no espaço de três anos. Desse modo, até ao final de 2024, a marca chinesa pode vir a liderar o mercado.

Recordamos ainda que uma afirmação similar foi feita em novembro último por Lu Weibing, VP sénior do grupo Xiaomi na China e Diretor Geral da Redmi. Foi então que numa publicação na rede social chinesa Weibo este executivo dera a conhecer primeiramente os objetivos da marca, bem como os passos necessários para lá chegar.

Mercado da China será crucial para o sucesso da Xiaomi

Em primeiro lugar a Xiaomi quer focar-se no mercado natal, a China. Aí, onde cerca de 70% do volume de smartphones vendidos é comercializado em lojas físicas, a marca pretende aumentar consideravelmente o seu número de lojas físicas no país.

Este será o primeiro passo, ter até 30 mil lojas físicas e pontos de venda na China. Em simultâneo, a Xiaomi aumentará também as suas lojas Mi Store espalhadas pela Europa e demais pontos do globo. Fenómeno que, aliás, temos sentido com particular intensidade em Portugal com a fabricante a continuar a sua rápida expansão no tecido económico nacional.

Em segundo lugar, com o aumento do número de lojas físicas fora da China, a marca focar-se-á em chegar ao topo do mercado. Para tal, não se focará em marketing agressivo contra a rival Apple, nem a Samsung, focar-se-á, sim, no desenvolvimento de produtos.

Mais lojas físicas, mais investimento em produtos para ultrapassar a Apple e Samsung

Lei Jun quer uma Xiaomi focada nos seus próprios produtos e não entretida com "guerras de marketing". A trivialidade da publicidade de guerrilha será substituída pelo investimento de mais capital em R&D - pesquisa e desenvolvimento - para criar produtos cativantes.

Dito isto, a Xiaomi não se focará especificamente na Apple e / ou Samsung, mas sim na melhoria dos seus produtos. Além disso, quer colocar no mercado novas soluções e gadgets que engrandeçam o seu portefólio e cativem novos consumidores.

Atualmente a Xiaomi ocupa o terceiro lugar no mercado global de smartphones, apresentando um crescimento impressionante. Com efeito, o seu ritmo de crescimento acelerou após a hecatombe da Huawei - que outrora desafiou a Apple e Samsung - e promete concentrar-se nesta estratégia para chegar ao primeiro lugar.

Até 2024, contudo, muito pode acontecer - veja-se o exemplo da Huawei. Não obstante, a Xiaomi mostra-se motivada a melhorar os seus produtos, focar-se em mercados como a China e a Europa, além de trazer novas soluções para o mercado.

Editores 4gnews recomendam:

  • Samsung: o teu próximo smartphone será um dobrável em 2022?
  • OnePlus 10 Pro: pontuação do smartphone desilude nos testes Geekbench
  • Waze deixa milhares de utilizadores sem informações de radares em Portugal
Rui Bacelar
Rui Bacelar
Na escrita e comunicação repousa o gosto, nas leis a formação. Ocupa-se com as novidades de tecnologia na 4gnews. Email: ruifbacelar@gmail.com