Xiaomi, OPPO e Vivo olharão para os processadores da Samsung para os seus smartphones

Filipe Alves
Comentar

Ao que parece, a Samsung está a trabalhar num acordo com a Xiaomi, OPPO e Vivo para o fornecimento de processadores para os seus smartphones.

A Xiaomi, OPPO e Vivo vivem muito da Qualcomm para o fornecimento de processadores para os seus equipamentos. Ainda assim, também recorrem à MediaTek para telemóveis menos potentes de forma a oferecer um preço mais competitivo.

Samsung quer os smartphones da Xiaomi, OPPO e Vivo

Processadores Samsung para Xiaomi, OPPO e Vivo

Porém, é possível que vejamos processadores Exynos, que são fabricados pela Samsung, nos smartphones da Xiaomi, OPPO e Vivo. Ao que parece, o acordo entre as empresas está prestes a fechar. As informações chegam do Business Korea, que já se revelouy correto no passado com as suas informações.

Ainda não sabemos que tipo de processadores é que estão a ser negociados. Lembro que a Samsung tem processadores Exynos para vários segmentos de mercado.

Em Portugal, por exemplo, a maior parte dos smartphones da Samsung vendidos chegam com os processadores Exynos da Samsung. Ainda assim, podemos dizer que a Samsung tem mais variedade e bom preço nos processadores de smartphones intermediários.

OPPO e Vivo pode ser apenas o início

Vale a pena relembrar que a OPPO e Vivo fazem parte de uma empresa chamada BBK Electronics. Esta empresa é também dona da OnePlus e Realme.

Ou seja, não é descabido imaginar que mais marcas desta fabricante entrem no leque das opções. Os processadores da Qualcomm são os escolhidos nos últimos anos, porém, os chips da empresa americana são, normalmente, mais caros que a concorrência. Assim sendo, é uma boa possibilidade para nos dar extrema qualidade de desempenho e trazer o preço dos smartphones para baixo.

Editores 4gnews recomendam:

Filipe Alves
Filipe Alves
Fundador do projeto 4gnews e desde cedo apaixonado pela tecnologia. A trabalhar na área desde 2009 com passagens pela MEO, Fnac e CarphoneWarehouse (UK). Foi aí que ganhou a experiência que necessitava para entender as necessidades tecnológicas dos utilizadores.