Lei Jun Xiaomi CEO Apple Samsung
Aconteceu, a fabricante chinesa já subiu ao 4.º lugar no ranking mundial das maiores fabricantes de dispositivos móveis.

O primeiro trimestre do ano foi, a nível de vendas de smartphones, efetivamente interessante. Afinal, no continente europeu, a Xiaomi acabou por ganhar quota de mercado e, por outro lado, a Apple e a Samsung perderam.

E, de facto, será a Xiaomi a grande estrela deste artigo de opinião. A empresa cresceu, no primeiro trimestre do ano, face ao mesmo período do ano passado, mais de 999% no velho continente.

Vê ainda: Instagram. Rede social do Facebook ganha recurso baseado em Emoji

Ora, acima de tudo, estes dados são surpreendentes. Em boa verdade, tal só é possível porque a Xiaomi – ao contrário da Apple ou da Samsung, por exemplo -, entrou no mercado há pouco tempo. Isto claro, pelo menos no europeu.

Consequentemente, a origem dos números é claramente notória. Isto é, a empresa tinha, no ano transato, uma expressão tão pequena a nível de venda de equipamentos que, ao mínimo crescimento, a taxa de crescimento dispararia.

Xiaomi, Apple e Samsung são algumas das empresas que estarão no mercado daqui a cinco anos…

No entanto, há que ter em consideração um aspeto. A Xiaomi vendeu, no primeiro trimestre de 2018, cerca de 1/3 de unidades que a Huawei conseguiu vender, bem como 1/4 daquilo que foram os iPhones vendidos pela Apple. Porém, a empresa chinesa vinha de uma situação totalmente diferente.

A Xiaomi entrou (e está a entrar) vagarosamente no mercado europeu apenas no final do último ano. Sendo assim, os primeiro três meses do ano atual podem ver-se como um autêntico sucesso, já que foi a quarta empresa que mais vendeu.

Portanto, a Samsung e a Apple viram a taxa de crescimento das suas vendas cair por causa da Xiaomi? Não. Provavelmente não. No entanto, a Xiaomi conseguiu crescer, muito devido a empresas cuja presença é agora inexistente.

Tudo isso, claro, devido à política de preços aplicada pela marca. A Xiaomi procura ser, de todas, aquelas que oferece ao cliente a melhor oferta, ao melhor preço. A comunidade de fãs é gigantesca e será também essa a razão pela qual o seu sucesso é tão profundo.

Aliás, os números falam por si. A empresa chinesa mal chegou à Europa e já ultrapassou a Nokia, ameaçando a Huawei e, quem sabe, no futuro, a própria Samsung. É, sem dúvida, um caso de sucesso.

A pergunta que pode ser colocada é: conseguirá aplicar tal estratégia no longo prazo?

Assuntos relevantes na 4gnews:

OnePlus ”trade-in” dar-te-á até 280€ para comprar o próximo OnePlus 6

Xiaomi vai abrir nova Mi Store em Viena na Áustria

Não é só a Samsung. Outra fabricante quer fazer um smartphone dobrável