Apple iPhone Beats 4gnewsO Moto Z da Lenovo foi o primeiro smartphone de uma marca bem conhecida a acabar com o jack de 3.5 mm no seu equipamento e se os rumores frequentes sobre a introdução de uma nova conexão via porta Lightning para iPhone não são suficientes para te convencer de que esta é a próxima tendência, então não sei o que te fará mudar de opinião.

Esta é uma mudança que poucos desejam e que alguns chamam de “inovação”. É uma mudança inteiramente planeada pelos construtores de smartphones para poderem livrar-se de uma porta que, na sua opinião, é desnecessária ou dispensável e para nos livrarem do empecilho dos fios (com esta última eu concordo).

Antes de mais, esta é a minha opinião e lembrem-se que existem milhões ou biliões de auscultadores e auriculares no mundo que utilizam esta porta e nenhum deles funcionará com o novo Moto Z, a não ser que compres um adaptador para o efeito e claro, se te preocupares minimamente com a qualidade do adaptador, pode ser que não se perca muita qualidade no som que chega aos teus ouvidos.

   

Contextualizando a situação, todos os nossos smartphones são dispositivos digitais e todos os auriculares (earphones ou headphones) são dispositivos analógicos. Portanto, para que a música armazenada no teu smartphone (em bits e bytes) chegue aos teus ouvidos (onda sonora), é necessária uma ponte, um conversor de sinal digital para sinal analógico, vulgarmente conhecido como DAC (Digital to Analog Converter). Será este DAC que vai converter os 1’s e 0’s em ondas sonoras, sem esquecer o amplificador que, tal como o nome sugere, torna essas ondas mecânicas audíveis.

 

Audio-Technica ATH-M50x
Audio-Technica ATH-M50x

Voltando atrás, para que possas ouvir aquela música que guardaste no teu smartphone, ou qualquer dispositivo com uma porta jack de 3.5mm, a informação digital (cuja qualidade variará imenso consoante o formato escolhido: MP3, WAV ou FLAC), precisa de atravessar uma série de componentes até que possas desfrutar da tua banda sonora favorita. É por isso que o som, ou melhor, a qualidade da música varia de smartphone para smartphone, uma vez que cada um utiliza um DAC diferente, ou amplificador diferente, pequenas variações que resultam em diferenças notórias no sinal que sai do jack de 3.5mm para os teus auscultadores.

São estes DAC’s e amplificadores que fazem a ponte entre o digital e o analógico e que não podem ser menosprezados se és um audiófilo ou se simplesmente procuras a melhor qualidade de som possível no teu smartphone. Dou-te já um exemplo, o LG G5 tem um DAC nativo mas por alguma razão a marca sul-coreana resolveu criar o LG Hi-Fi Plus B&O PLAY, um dos seus módulos para o topo de gama G5 e que é, nada mais, nada menos que um DAC com uma taxa de reprodução de áudio a 32bits e acredita que os teus ouvidos sentem a diferença.

Com a adoção do USB do Tipo C, ou a porta Lightning para ligar os auriculares ou auscultadores, o DAC do teu dispositivo deixa de pura e simplesmente de existir e toda a qualidade do áudio dependerá do tipo de adaptador que utilizes, ou então do DAC presente em alguns auriculares e auscultadores.

Fazendo um ponto de situação, se inicialmente pensava que os audiófilos se iriam opor a esta “inovação”, chego agora à conclusão de que esse grupo de utilizadores (no qual me revejo) será aquele que menos tem com que se preocupar, isto depois de ver e testar o exemplo da LG com o seu módulo LG Hi-Fi Plus B&O PLAY, exemplo que será seguido por outras marcas que não perderão tempo a criar soluções premium para assegurar a qualidade de áudio, com ou sem o jack de 3.5mm.

Com o fim desta porta, a solução para quem procura uma boa qualidade de áudio, e não apenas a comodidade de não existirem fios, passará por apostar num bom par de auriculares/auscultadores com um bom DAC integrado, ou então por um bom adaptador (mas de preferência a 1ª solução), para que a qualidade de áudio seja exactamente a mesma, caso ligues os teus phones a um iPhone ou a qualquer outro smartphone.

Bravo-Audio-V2-Amplifier
Amplificador Bravo Audio V2

Aliás, para o segmento Premium de auriculares (earphones) e auscultadores ( headphones) existentes no mercado já existe uma vasta panóplia de DAC’s dedicados e de amplificadores. Algo que aumentará exponencialmente com a mudança abrupta para USB do Tipo C ou porta Lightning.

Afinal, quem é que se deve preocupar com esta mudança?

Muito sucintamente, quem não quer gastar muito dinheiro com auscultadores ou auriculares. Se tens um destes periféricos de gama baixa ou relativamente acessível (tudo o que fique abaixo dos 100€) então das duas uma, ou terás que comprar um novo modelo, “baratuxo”, com a nova conexão USB do Tipo C ou então gastar mais uns €’s num adaptador económico. Em qualquer um destes cenários será o consumidor normal que mais tem a recear com o fim do jack de 3.5mm.

Escusado será dizer que a qualidade do DAC e amplificador que encontramos num periférico de 40 ou 50€ é bem diferente daquele que temos num equivalente de 300, 400 ou 500€, com resultados equivalentes na qualidade de som proveniente de cada um. Portanto, se até agora a maioria dos smartphones conseguia debitar uma qualidade de som muito constante, a partir de agora ou melhor, caso o jack de 3.5mm desapareça de vez, terás que prestar atenção à qualidade dos teus auscultadores ou auriculares e respectivos DAC’s e amplificadores.

Em suma, para ganhar-mos a comodidade de uma experiência de áudio sem-fios (não que esteja a defender os fios, ninguém gosta de os desembaraçar) mas, em troca, vamos acabar por perder naquilo que realmente importa, a qualidade do som. E mesmo que pouco te importes, que sejas daqueles que não está disposto a gastar dinheiro em auriculares/auscultadores caros, já poucas pessoas utilizam os auriculares que vêm incluídos na caixa do smartphone, isto porque, mesmo nos smartphones topo de gama, os periféricos incluídos são, na melhor das hipóteses, razoáveis.

Termino com isto. Para termos a mesma qualidade de som de que actualmente desfrutamos, a próxima geração de auriculares/auscultadores que não utilizem a porta de 3.5mm terão obrigatoriamente que ser mais caros e uma coisa é certa, a Apple não tem receio de acabar com portas e conectividade, tudo em prol da “inovação”. Mas será que esta inovação se traduzirá em maior comodidade, maior custo ou tampouco uma maior qualidade?

Talvez queiras ver:

 

Fontefonte
Quando não está a escrever um artigo ou a gravar algum vídeo, o Bacelar tem por hábito saborear um bom livro, descobrir novas bandas sonoras ou simplesmente desfrutar do sol, na companhia de quem mais gosta (MM).