Terá a Huawei sucesso nos smartphones sem aplicações Google? Vocês decidiram

Filipe Alves
5 comentários

Na semana passada questionamos os nossos leitores face aos smartphones da Huawei e à ausência dos serviços Google. Com a situação de não poderem implementar serviços Google nos seus equipamentos, a Huawei tem, baixado consideravelmente o número de novos equipamentos que manda para o mercado.

Pois bem, vocês responderam e parece que existe uma séria divisão relativamente a esta questão. Aliás, não me lembro de termos uma sondagem onde os resultados são tão próximos um do outro.

Smartphones Huawei sem serviços Google. Com sucesso ou não?

Huawei serviços Google smartphones

Nesta votação mais de 400 pessoas votaram e 56% delas não acredita no sucesso dos smartphones da Huawei sem as aplicações e serviços da Google.

Contudo, vale a pena salientar que 44% dos questionamos, continua com fé que não serão os serviços Google que pararão o crescimento da empresa asiática no nosso mercado.

Poucas soluções para os serviços Google

Smartphone Huawei

Por muito que gostasse de ver a Huawei a continuar a crescer, o nosso mercado é, na minha opinião, seriamente dependente de serviços Google.

Ter de aceder ao YouTube através do browser (que não pode ser Chrome, ou seja, nada de favoritos e sincronização) é doloroso demais.

Além disso, Apps como o Google Maps, Google Photos também não estão disponíveis. São aplicações que pessoalmente dou um valor tremendo e que, para já, é difícil de viver sem elas.

O pior é que os smartphones continuam com o seu alto valor. O Huawei P40 Pro tem o preço de 4 digitos. Ainda que o hardware seja muito bom, não será fácil convencer um cliente a gastar mais de 1000€ num telemóvel que chega capado. Veremos no que isto dá. Uma coisa é certa, todos gostaríamos de voltar a ver a Huawei como estava antes desta situação.

Filipe Alves
Filipe Alves
Fundador do projeto 4gnews e desde cedo apaixonado pela tecnologia. A trabalhar na área desde 2009 com passagens pela MEO, Fnac e CarphoneWarehouse (UK). Foi aí que ganhou a experiência que necessitava para entender as necessidades tecnológicas dos utilizadores.