File photo of Sony Corp's Chief Executive Officer Hirai attends a news conference at the company's headquarters in TokyoDepois de termos visto os relatórios do último trimestre fiscal (julho a setembro de 2015) da Apple, Samsung e Huawei, é chegada a vez de conhecer a saúde das contas da Sony. Após ter publicado o seu relatório, podemos ver que as notícias são boas e más. Começamos pelas más, obviamente.

A Sony é outra das grandes construtoras de smartphones e dispositivos móveis que utilizam o sistema operativo Android, sendo uma das marcas cujo destino já foi muitas vezes questionado mas felizmente, esses rumores foram aqui desmentidos.

No entanto, de acordo com os dados constantes no seu relatório fiscal do trimestre que findou em setembro passado, a Sony apresentou um prejuízo de 172 milhões de dólares no seu semento de dispositivos móveis, os Sony Xperia da Sony Mobile Communications.

   

O total das receitas atingiu os 2,33 mil milhões de dólares mas as despesas superaram esse valor em 172 milhões, o que significa que os Sony Xperia continuam a ser um poço de dinheiro para esta gigante. Em boa verdade, as vendas de dispositivos Xperia sofreram um decréscimo de 15,2% em comparação com o período homólogo de 2014. Esta quebra nas vendas é, contudo, um resultado direto de uma reestruturação de toda a política de vendas de dispositivos móveis, não sendo, portanto, uma surpresa.XPERIA Z3+ 17

A venda de equipamentos Sony Xperia resultou num prejuízo de 172 milhões de dólares neste último trimestre

Passemos agora às boas notícias. Um dos múltiplos negócios da Sony são os sensores de imagem, presentes em grande parte dos smartphones de outras marcas, desde gamas baixas a topos de gama. Este sempre foi um dos pontos fortes da Sony que, aliás, tem vindo a reforçar esta posição de líder na indústria de sensores fotográficos e assegurar grandes clientes como a Apple, Samsung e Motorola. Todas elas fiéis adeptas dos sensores Sony Exmor.

Depois de tudo o que acabei de dizer, não é propriamente uma surpresa ver que a Sony registou um aumento nos lucros de 16%, em comparação com o mesmo período do ano passado. Os sensores de imagem renderam 2,2 mil milhões de dólares em receitas e a venda de componentes fotográficos totalizou os 1,5 mil milhões de dólares em receitas, obtendo 215 milhões de dólares em lucros.

Face a este vigoroso sucesso, tanto no ramo de desenvolvimento de sensores de imagem como de componentes fotográficos, a Sony resolveu criar todo um novo ramo independente para este seu segmento. Vai chamar-se Sony Semiconductor Solutions e ficará encarregue da aquisição da indústria de sensores de imagem da Toshiba e, claro, dos seus futuros desígnios.Sony President and CEO Kazuo Hirai speaks during a press conference at the Sony Corp. headquarters in Tokyo, on May 22.

No total, a Sony Corporation, gerou um lucro de 280 milhões dos 15,8 mil milhões em receitas, tendo neste trimestre uma almofada fiscal de 775 milhões de dólares. Estes resultados são bem mais positivos dos que havia registado no período homólogo de 2014 onde sofreu um prejuízo líquido de 1,2 mil milhões de dólares oriundos do seu ramo de smartphones, a Sony Mobile.

Apesar destes sinais ambíguos, o destino da Sony Mobile está assegurado. A Sony não irá abandonar a indústria e o mercado dos dispositivos móveis. No entanto, a atitude da marca para com os seus Sony Xperia é bastante realista e fará um controlo apertado de toda esta divisão para que, em breve, volte aos lucros, ou pelo menos deixe de ter prejuízos com a venda de dispositivos móveis.

A nova geração de smartphones poderá ser a resposta às preces da marca. Este trio de ataque, que conta com o Sony Xperia Z5, Sony Xperia Z5 Premium e o Sony Xperia Z5 Compact, tem boas chances de conquistar uma bela porção de mercado. Mas teremos que esperar e ver o que o futuro nos reserva.

Talvez queiras ver:

😉

ViaThe Verge
FonteSony
Quando não está a escrever um artigo ou a gravar algum vídeo, o Bacelar tem por hábito saborear um bom livro, descobrir novas bandas sonoras ou simplesmente desfrutar do sol, na companhia de quem mais gosta (MM).