Redmi 8 com processador Snapdragon 439. CEO explica porquê

Bruno Coelho
Comentar

A Xiaomi lançou o Redmi 8 envolto em alguma polémica junto dos utilizadores. Isto porque a marca decidiu lança-lo com o processador Snapdragon 439, depois de o Redmi 7 ter chegado com o Snapdragon 632.

Estamos a falar de um processador menos poderoso, mas o CEO da Redmi fez questão de justificar a razão desta escolha. Segundo este, a marca fez um questionário antes do lançamento do smartphone, a perguntar que funcionalidades eram mais importantes para os utilizadores.

Segundo os resultados, o mais importante para estes foi: bateria, experiência leve e rápida, e uma boa qualidade de construção. Segundo Lu Weibing, a marca decidiu focar-se nestes pontos no novo dispositivo.

Bateria é o foco do Redmi 8

Assim, este chegou com bateria de 5000mAh, USB tipo C, e suporte para carregamento rápido de 18W. A versão de 2GB de RAM foi cancelada, e foi adicionado o Mi Turbo 2.0 e melhor limpeza de memória.

Quanto ao processador, a marca adverte que este consegue uma performance bastante similar à do conhecido Snapdragon 625. A publicação mostra mesmo os resultados no AnTuTu de ambos. O CEO da Redmi diz que tal acontece por este ser um processador de 12 nanómetros e ter o novo Mi Turbo.

Snapdragon 625 e Snapdragon 439 com performance similar no AnTuTu

No final das justificações, Weibing acaba por dizer que quem ficou preocupado com a performance deve optar pelo Redmi 7 ou Redmi Note 8. E que quem quer melhor bateria deve optar pelo Redmi 8. Ainda assim, não deixa de ser interessante que este acabe por aconselhar o modelo anterior.

Editores 4gnews recomendam:

  • Redmi Note 8 Pro: Edição World of Warcraft prestes a chegar ao mercado
  • Xiaomi revela primeiras imagens oficiais do Redmi K30 (Mi 10T)
  • Xiaomi Redmi Note 7 recebe MIUI 11 em Portugal
Bruno Coelho
Bruno Coelho
Vive entre a paixão pela escrita, a música e a tecnologia. Licenciou-se em Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior em 2015, e fez parte da equipa que fundou o Jornal de Belmonte. Produziu vários podcasts independentes pelo caminho. Come especificações ao pequeno-almoço.