Rede social atinge mil milhões de utilizadores e pode superar Facebook

Filipe Alves

Muitos poderão estar a pensar que esta noticia é referente ao Twitter ou ao Google+, mas não.

A chinesa Tencent, detentora do WeChat (serviço de troca de mensagens semelhante ao WhatsApp para plataforma Android e IOS) aumentou para pouco mais de mil milhões de utilizadores e ameaça superar Facebook .

O primeiro motivo que garantiu o crescimento soberano do WeChat na China é o fato do Facebook ser bloqueado por lá, o que torna a disputa desleal. Se a proibição fosse extinta, é provável que o Facebook pudesse lutar com igualdade, o que certamente faria com que o WeChat perdesse popularidade.

Quanto ao mercado internacional, o Facebook ainda é maior que o WeChat, mas a empresa tenciona mudar este resultado. Tendo abrangido já o território chinês, a Tencent está a realizar um forte investimento em publicidade e auxilia-se de grandes vedetas do mundo do desporto ( Lionel Messi e LeBron James) para tornar o aplicativo ainda mais popular fora da china.

Dos mais de mil milhões de utilizadores do serviço da Tencent no mundo, cerca de 120 milhões estão fora do território chinês, o que prova que o serviço se começa a massificar mundialmente.

Pode encontrar na aplicação as seguintes funcionalidades - Serviço de mensagens entre duas ou mais pessoas, além da possibilidade de enviar ficheiros com voz, fotos, vídeos e informações de GPS; - Gratuito e sem publicidade; - Mensagens acessíveis também offline; - Inscrição com o número de telemóvel, como acontece no WhatsApp; - Chamadas de vídeo em alta definição; - Rede social privada para partilha de fotos em grupo; - Função que permite adicionar amigos apenas agitando o telemóvel; - Possibilidade de usar o WeChat também no computador, pela versão web; - Já disponível em português. - Pesquisa de pessoas através da geolocalização

Além de todo o investimento feito no serviço, a empresa chinesa anunciou ainda um novo serviço que oferece aos seus utilizadores uma link

Filipe Alves
Filipe Alves
Fundador do projeto 4gnews e desde cedo apaixonado pela tecnologia. A trabalhar na área desde 2009 com passagens pela MEO, Fnac e CarphoneWarehouse (UK). Foi aí que ganhou a experiência que necessitava para entender as necessidades tecnológicas dos utilizadores.