MEO Kalorama gera mais de 7 terabytes de tráfego na primeira edição

Bruno Coelho
Comentar

Entre os dias 1 e 3 de setembro, passaram cerca de 112 mil festivaleiros pela primeira edição do festival MEO Kalorama. Este assumiu-se primeiro festival de uma nova geração, que juntou a música com bandas de referência, a arte urbana e práticas e princípios de sustentabilidade.

Para que corresse tudo às mil maravilhas, a o MEO reforçou as infraestruturas do festival com fibra ótica de última geração, garantindo a cobertura WiFi bem como rede 5G em todo o espaço. Assim os festivaleiros puderam usufruir de uma de qualidade e com segurança.

MEO regista 1TB e dados gerados só a partir de 5G

Em comunicado, a Altice Portugal contabiliza mais de 7 terabytes de tráfego, no Parque da Bela Vista, em Lisboa, durante este período. Quanto ao tráfego em 5G, a rede móvel de última geração que marcou a sua estreia em festivais de verão do MEO, com cerca de 1TB de dados gerados.

MEO Kalorama
MEO Kalorama

A operadora destaca o empenho de uma dezena de equipas da Altice Portugal, responsáveis pelas montagens e monitorização de todas as infraestruturas. A MEO foi também responsável por garantir as comunicações da organização, patrocinadores, imprensa e parceiros de media.

De destacar que as emissões da SIC e Rádio Comercial – incluindo as emissões em direto com comentários, entrevistas, e outros conteúdos - foram suportadas pelo serviço MEO. Assim pôde chegar ao público que acompanhou o festival a partir das suas casas.

“Fazer parte da primeira edição do festival reforça assim o propósito assumido da marca de ligar as pessoas à vida, procurando surpreender os amantes de música com experiências marcantes e únicas em Portugal”, escreve a empresa em comunicado.

2.ª edição do MEO Kalorama marcada para 2023

Já está confirmado que a 2ª edição deste festival regressa a Lisboa em 2023. Tal vai suceder nos dias 31 de agosto, 1 e 2 de setembro.

Editores 4gnews recomendam:

Bruno Coelho
Bruno Coelho
Vive entre a paixão pela escrita, a música e a tecnologia. Licenciou-se em Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior em 2015, e fez parte da equipa que fundou o Jornal de Belmonte. Produziu vários podcasts independentes pelo caminho. Come especificações ao pequeno-almoço.