Marca chinesa afirma que 45% dos novos clientes vieram de iPhone

Bruno Coelho
Comentar

Chamam-se Meizu 18 e Meizu 18 Pro, e são os smartphones topo de gama da fabricante chinesa para 2021. Apresentados no início do mês de março, fica agora a saber-se um dado curioso sobre os terminais.

45% dos novos clientes da Meizu são ex-utilizadores de iPhone

Segundo a Meizu, 45% dos compradores destes smartphones são anteriores utilizadores de iPhones da Apple. Algo que parece indicar que a fabricante quer competir diretamente com os grandes tubarões do mercado.

Meizu afirma que 45% dos seus novos clientes são ex-utilizadores de iPhone

Estes são smartphones em que a marca tem apostado em três grandes pontos. Segundo esta, os equipamentos chegam com zero anúncios, zero aplicações de terceiros pré-instaladas e zero notificações da empresa. O que, a ser verdade, é bom para qualquer novo utilizador.

Estes foram equipamentos lançados na China com o processador Snapdragon 888, e até 12GB de RAM. No que diz respeito a performance, a fabricante chinesa parece não ter feito poupanças.

O Meizu 18 Pro foi ainda lançado com um painel Samsung E4 AMOLED de 6,7 polegadas, que combina a resolução 2K com taxa de atualização de 120Hz. Apresenta-se com um painel curvo nas laterais com um pequeno punch-hole para a câmara frontal.

O equipamento conta quatro câmaras na traseira. A principal é o sensor Samsung GN1 de 50MP, acompanhado da ultrawide Sony IMX616 de 32MP. Temos ainda um sensor de 8MP com zoom ótico de 3x e o sensor ToF (time of light) para melhor precisão nos retratos.

Na China, o Meizu 18 custa o equivalente a 565 euros, enquanto a versão Pro chega aos 770 euros.

Editores 4gnews recomendam:

  • Meizu 18 e 18 Pro: dois belos smartphones com o Snapdragon 888
  • Xiaomi POCO X3 Pro ou POCO F3: qual tem melhor autonomia (vídeo)
  • Xiaomi Mi 11 Ultra reaproveita um importante componente da Mi Band 5
Bruno Coelho
Bruno Coelho
Vive entre a paixão pela escrita, a música e a tecnologia. Licenciou-se em Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior em 2015, e fez parte da equipa que fundou o Jornal de Belmonte. Produziu vários podcasts independentes pelo caminho. Come especificações ao pequeno-almoço.