League of Legends: Wild Rift já jogamos o novo LoL para Android e iOS

Rui Bacelar
Comentar

O League of Legends: Wild Rift chega às plataformas móveis Android e iOS a 10 de dezembro com a mesma mecânica 5v5, aliando estratégia e cooperação com jogo rápido, repleta de animações visuais e sonoras, mas com as devidas adaptações para mobile.

A Riot Games abriu uma nova janela através da qual visa cativar novos jogadores para o mundo de RuneTerra e para o incrível lore deste mundo, agora comodamente acessível através dos nossos smartphones e tablets. A 4gnews experimentou o jogo em 1.ª mão.

A primeira gameplay de League of Legends: Wild Rift

O mesmo League of Legends, do PC para mobile

League of Legends: Wild Rift

A prioridade da Riot em preservar os elementos que conquistaram milhões de jogadores desde 2009 foi notória. A versão mobile é extremamente fiel à versão bem conhecida dos veteranos e entusiastas do League, com as necessárias adaptações.

Em primeiro lugar, o novo jogador do Wild Rift pode usar as suas credenciais da conta Riot para fazer o login no novo jogo para dispositivos móveis. A sincronização da conta reduz ao mínimo as formalidades necessárias para a configuração do Wild Rift.

Em seguida, somos contemplados com a atmosfera familiar e envolvente do mundo RuneTerra e respetivo lore. As animações bem conseguidas, o palco sonoro rico e bem trabalhado e demais elementos estão presentes, tal como no PC, também no mobile.

Há bons tutoriais para novos jogadores do LoL Wild Rift

League of Legends: Wild Rift

O apelo do LoL: Wild Rift atrairá novos jogadores - e ocasionais repórteres - que ainda não conheciam este universo. Felizmente, a Riot inclui vários tutoriais no jogo para que nenhuma mecânica ou personagem fique por explorar.

Explicando como se joga e com o que se joga, há no Wild Rift controlos intuitivos e adaptados ao ecrã dos dispositivos móveis. Há até um modo para tablets que adapta a interface para o formato maior, mas mesmo nos smartphones é fácil jogar.

Temos dois dual-sticks para controlar o jogo. O da esquerda para controlar o movimento e possíveis regressos à base, com o da direita a ter os botões para ataque. É aqui que vemos as maiores - e compreensíveis - adaptações para o formato mobile.

O mapa Summoner's Rift otimizado para partidas (mais) rápidas

Mapa Summoner's Rift League of Legends: Wild Rift

A Riot deu ainda a saber que o League of Legends: Wild Rift está otimizado para partidas mais rápidas, ou de menor duração. Ainda assim, estamos perante batalhas de 10 a 15 minutos, ou até mais consoante o nível de dificuldade / perícia dos jogadores.

Durante o período experimental encontramos uma interface intuitiva, com os botões onde sabíamos que eles iriam estar. Isto é, caso já tenhas experimentado títulos similarmente competitivos no mobile, saberás como controlar os teus champions no jogo.

Três faixas ou lanes, regiões de floresta povoadas pelos personagens familiares, entre drakes ou dragões e outras entidades com o potencial de conceder variados bónus (buffs) ao jogador. A isto juntam-se as torres, bem como os indispensáveis minions.

O jogo corre bem em Android e iOS

League of Legends: Wild Rift

Podes jogar League of Legends: Wild Rift em qualquer tablet ou smartphone Android com 1,5 GB de memória RAM, processador (CPU) quad-core 1,5 GHz (32 ou 64-bits), com resolução mínima HD (1280 × 720p). Em dispositivos Apple poderás jogar o novo LoL a partir do iPhone 6 Plus.

Estes são os requisitos mínimos de hardware para poderem tirar proveito deste jogo grátis, em que para ganhar não é necessário gastar dinheiro. É possível, sim, gastar dinheiro real para comprar skins, animações e chavões dos Campeões, tal como no PC.

A 4gnews experimentou o League of Legends: Wild Rift num dispositivo Android, não tendo encontrado bugs notórios, force-closes ou crash do jogo. As expectativas foram superadas nos quesitos estabilidade, riqueza e profundidade de jogo.

A monetização familiar do LoL: Wild Rift

League of Legends: Wild Rift

O "dinheiro real" pode ser gasto para comprar as skins para os personagens, poses, emotes, emblemas do Rift, ícones exclusivos e até as novas baubles, ou gargalhadas quando, por exemplo, liquidamos um oponente durante as partidas.

Tal como na versão para PC, o jogo é gratuito, algo que foi bem vincado pela Riot, não querendo alterar a essência do LoL. Não precisas de gastar dinheiro para te divertires, para competir, nem para ganhar e avançar no jogo. Apenas para o personalizar.

A todo o tempo, a Riot relembrou-nos do seu compromisso a longo prazo com este novo jogo. A experiência quer-se estável, envolvente e duradoura, tal como no computador, também nos ecrãs dos dispositivos móveis.

Para jogar sozinho ou com amigos

League of Legends: Wild Rift

Os jogadores poderão tirar proveito do modo Ranked, onde podem desafiar outros jogadores e evoluir as suas capacidades, almejando a patentes crescentemente desafiantes. Também aqui, para mobile, há mais escalões para acolher jogadores com diferentes graus de experiência, sendo outro dos vetores do novo Wild Rift.

De qualquer modo, o espírito competitivo em equipa mantém-se como principal pauta do Lol, promovendo uma competição saudável, com novos conteúdos, temporadas e eventos a dinamizar todo o jogo, independentemente da plataforma.

Proporcionou-se a oportunidade única para experimentar em primeira mão o League of Legends: Wild Rift e, qual boa surpresa nos esperava. O jogo está estável, facilmente compreensível e mantém-se fiel ao League para PC.

A partir do dia 10 de dezembro qualquer interessado poderá começar a jogar, com a Riot a apelar e agradecer o feeback dos jogadores, sobretudo nesta primeira fase do lançamento.

Editores 4gnews recomendam:

Rui Bacelar
Rui Bacelar
Na escrita e comunicação repousa o gosto, nas leis a formação. É na tecnologia que encontrou o seu expoente máximo e na 4gnews a plataforma ideal para a redação e produção de vídeo.