IPTV Pirata: rede com mais de meio milhão de clientes é desmantelada

Rui Bacelar
Comentar

O acesso indevido a canais de antena fechada através das plataformas de IPTV Pirata é uma realidade que continua a grassar na Europa. Em Portugal, o fenómeno será igualmente expressivo, sobretudo agora em época de Mundial de Futebol 2022 no Qatar.

É atualmente inegável a tentação do streaming ilegal e o IPTV Pirata. O fenómeno é notório, porém, certo é que a agência europeia Europol e várias autoridades nacionais continuam a intensificar o combate a estas redes piratas que operam em vários países europeus.

Combate ao IPTV Pirata em subido de tom na Europa

IPTV Pirata

A propósito, damos conta do desmantelamento de uma das maiores redes de IPTV Pirata da Europa, com mais de meio milhão de clientes de acordo com as autoridades.

A rede, de acordo com a Europol, operava sobretudo em Espanha, mas tinha assinantes espalhados pela Europa, inclusive em Portugal.

Recentemente, a 16 de novembro, 4 suspeitos de gerir a rede de streaming e IPTV ilegal foram detidos em Málaga. A operação resultou também na apreensão de toda a infraestrutura e equipamentos de suporte.

Para além disso, os demais "colaboradores" e partes envolvidas na dinamização e manutenção das plataformas, perfazendo cerca de 100 pessoas, foi alvo de buscas e detenções.

Rede de distribuição ilegal de conteúdos tinha mais de 500 mil clientes

IPTV Pirata

Este foi o culminar de uma investigação que teve início em 2020 e procurou visar, sobretudo, a distribuição de conteúdo protegido através da plataforma de IPTV.

Em simultâneo, procuraram também chegar às fontes de distribuição de vários conteúdos de audiovisual como filmes e séries online, o acesso indevido a plataformas de streaming, entre outras formas de distribuição de conteúdo.

Em suma, todas as plataformas e redes de distribuição de conteúdos operadas pelos indivíduos de nacionalidade espanhola perfaziam cerca de meio milhão de assinantes. Ou seja, tratava-se de uma operação altamente rentável com procura além das fronteiras de Espanha.

Rede de IPTV lucrava mais de 3 milhões por ano e tinha revendedores em Portugal

Segundo avança ainda a publicação Torrentfreak, os responsáveis pela rede de distribuição de conteúdos ganhavam até 3 milhões de euros por ano. Dito isto, facilmente se compreende o apelo deste tipo de atividade ilícitas de distribuição de streaming via IPTV Pirata, entre outros meios.

Informam ainda as autoridades que a rede era composta por cerca de 100 colaboradores externos. Partes envolvidas na revenda, divulgação e publicidade ao serviço de IPTV Pirata, com presença em Espanha, Portugal, Chipre, Malta, Grécia e Reino Unido.

Ao que tudo indica, estes agentes compravam assinaturas das plataformas de streaming a preços de grossistas. Isto para, em seguida, revenderem eles próprios aos seus clientes, isto através do acesso em Box IPTV configurada.

Editores 4gnews recomendam:

Rui Bacelar
Rui Bacelar
Na escrita e comunicação repousa o gosto, nas leis a formação. Ocupa-se com as novidades de tecnologia na 4gnews. Email: ruifbacelar@4gnews.pt