iPhone é mais popular que nunca entre adolescentes nos Estados Unidos

Bruno Coelho
Comentar

Que o iPhone é o telemóvel mais popular entre os americanos não é propriamente uma surpresa. A Apple faz um bom trabalho a nível caseiro, e os fabricantes Android têm alguma dificuldade em entrar nos bolsos dos utilizadores estadunidenses. Mas junto do público juvenil, o fosso entre iPhone e concorrentes parece maior do que nunca.

Apenas 1 em cada 10 adolescentes americanos não usa iPhone

De acordo com um estudo da Piper Sandler, apenas um em cada 10 adolescentes americanos usa Android ou outra alternativa ao iPhone da Apple. O que mostra que a Apple estará a fazer um grande trabalho junto de um público que serão os seus futuros consumidores.

Este questionário foi realizado nos Estados Unidos a 7 mil adolescentes, distribuídos por 47 estados. A idade média do entrevistados cifrou-se nos 16 anos, e os resultados são contundentes.

90% dos entrevistados afirmam que o próximo telemóvel também será iPhone

De acordo com as respostas, 88% dos entrevistados andam com um iPhone no bolso. E face à questão de qual será o seu próximo smartphone, existem ainda menos dúvidas. Isto porque 90% do entrevistados afirmam que será iPhone. Estes dados configuram novos máximos.

Tal como afirma o Android Authority, um em cada dois smartphones vendidos na América do Norte em 2020, é iPhone. O que, tal como referimos antes, não é um dado novo no mercado interno da tecnológica de Cupertino.

Globalmente, o iPhone 11 foi o smartphone mais vendido de 2020 com números estimados na ordem os 64,8 milhões de unidades vendidas. Embora a Samsung domine habitualmente o ranking global de smartphones, a Apple liderou durante o último trimestre de 2020.

Editores 4gnews recomendam:

  • Marca chinesa afirma que 45% dos novos clientes vieram de iPhone
  • Apple mostra ao Android como se faz: adoção do iOS 14 impressiona
  • Tim Cook confirma lançamento do iOS 14.5 ainda este mês
Bruno Coelho
Bruno Coelho
Vive entre a paixão pela escrita, a música e a tecnologia. Licenciou-se em Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior em 2015, e fez parte da equipa que fundou o Jornal de Belmonte. Produziu vários podcasts independentes pelo caminho. Come especificações ao pequeno-almoço.