Huawei vende 230 milhões de smartphones em 2019, afirma CEO

Carlos Oliveira
Comentar

De acordo com o que avança a Sina Technology News, Richard Yu, CEO da Huawei mobile, anunciou números impressionantes numa reunião interna. Segundo o executivo, a empresa conseguirá vender 230 milhões de smartphones este ano.

Em outubro passado, a tecnológica revelou ter vendido 200 milhões de smartphones em todo o mundo. Isto significa que desde então a Huawei consegui vender mais 30 milhões de dispositivos.

Este é um número impressionante e representa um crescimento de 15% em vendas face ao ano anterior. Em 2018, a Huawei terminou o ano com 200 milhões de equipamentos vendidos.

Mate 30 Pro

Huawei continua a crescer apesar dos problemas com os EUA

Inicialmente previa-se que a Huawei pudesse fechar 2019 com 250 milhões em vendas. Um número que acabará por não se verificar, mas isso não impede a chinesa de fechar o ano em alta.

O banimento imposto por Donald Trump à Huawei será a principal razão para que esse número não tenha sido alcançado. Importa notar que na segunda metade do ano não vimos nenhum equipamento novo no mercado europeu.

Ainda assim, na China têm-se registado vendas muito acima do esperado, o que de certa forma tem ajudado a chinesa a atenuar a sua ausência na Europa. O mercado interno tem sido o principal impulsionador da Huawei nos últimos meses.

Qual será o futuro da Huawei?

Face ao impasse que se regista com os EUA, a Huawei já veio afirmar que pretende afastar-se de produtos oriundos desse país. O Huawei Mate 30 Pro é o exemplo de que é possível desenvolver um smartphone sem recorrer a hardware norte-americano.

No entanto, falta encontrar uma alternativa viável ao Android para ser 100% independente dos EUA. A chegada do seu Harmony OS aos smartphones é uma incógnita, pelo que, por enquanto, o sistema operativo da Google continua a ser importante para a Huawei.

Editores 4gnews recomendam:

Comentar
Carlos Oliveira
Carlos Oliveira
Tendo já passado por várias casas, a 4gnews é aquela que me segura desde 2015. Com um desejo insaciável de me manter atualizado tecnologicamente, a partilha desse conhecimento é apenas o seguimento natural das coisas.