Huawei Mate 40 é tão popular que a fabricante não está a aguentar

Filipe Alves
3 comentários

A nova linha de smartphones da Huawei, Huawei Mate 40, chegou de forma oficial. Ainda que na Europa tenhamos de esperar um pouco mais, os smartphones já estão à venda na China.

Contudo, a Huawei está com um enorme problema em conseguir aguentar com os pedidos dos smartphones. Isto porque a sua popularidade é maior que se esperava.

China é o principal público do Huawei Mate 40

Huawei Mate 40

O sentimento de patriotismo saltou nos utilizadores chineses. De forma a dar uma força extra à marca, os utilizadores da China estão a olhar para a Huawei de forma mais comprometida. Todos sabemos que a marca não está numa situação agradável e os utilizadores chineses querem dar a força extra que a Huawei precisa.

Porém, nem tudo é um mar de rosas. Isto porque a Huawei está com sérios problemas para construir o smartphone. Chegou-se a falar que a marca só conseguiria fabricar cerca de 8 milhões de unidades.

Visto que a Huawei está com recursos limitados para a construção do seu processador Kirin 9000, está complicado para a fabricante conseguir acompanhar o ritmo das compras.

Situação da Huawei pode melhorar em breve

Escusado será dizer que a eleição presidencial dos Estados Unidos da América terão um forte impacto na Huawei. As boas notícias é que Joe Biden está à frente e tudo indica que será o próximo Presidente dos EUA.

Caso tal aconteça, a Huawei tem de conseguir criar um caso de defesa para o novo Presidente norte-americano. Lembro que Donald Trump proibiu empresas americanas de negociar com a fabricante devido a receios de espionagem.

Em suma, ainda que a situação esteja complicado para a Huawei no resto do mundo, parece que os utilizadores chineses estão dispostos a aguentar o barco até que as coisas melhorem.

Editores 4gnews recomendam:

Filipe Alves
Filipe Alves
Fundador do projeto 4gnews e desde cedo apaixonado pela tecnologia. A trabalhar na área desde 2009 com passagens pela MEO, Fnac e CarphoneWarehouse (UK). Foi aí que ganhou a experiência que necessitava para entender as necessidades tecnológicas dos utilizadores.