Huawei fora da corrida? Estados Unidos ameaçam redobrar sanções!

Rui Bacelar
Comentar

A Huawei foi colocada na "lista negra" dos Estados Unidos da América em maio de 2019, então sob a administração Trump após as recomendações de várias agências de segurança nacional. Agora, sob a batuta de Biden, o garrote pode apertar-se ainda mais.

Perante uma situação desesperada no mercado de smartphones e dispositivos móveis a Huawei viria, em finais de 2020, a vender a Honor. Aliás, esta fabricante também já está na mira dos EUA devido ao seu passado comum com a casa-mãe, Huawei.

Secretária do Comércio dos Estados Unidos deixa aviso à Huawei

Em declarações à agência Reuters, a Secretária do Comércio dos Estados Unidos, Gina Raimondo, afirmou que se fosse necessário o executivo está pronto para introduzir uma nova ronda de sanções. Raimondo foi clara, fazendo saber que a fabricante chinesa continuará na "lista negra" e sob apertada vigilância pelas entidades competentes nos EUA.

A responsável norte-americana afirmou que a Huawei representa uma ameaça aos interesses e segurança nacional norte-americana por diversas razões. A isto somou que Washington não poupa esforços na pressão aos outros países (lobbying) para que estes deixem de usar equipamentos Huawei, sobretudo nas infraestruturas de redes móveis de quinta geração, o 5G.

Ao mesmo tempo que deixou bem claro o estado de guerra com a Huawei, Gina Raimondo não comentou a possibilidade de a Honor vir a sofrer o mesmo destino. A possibilidade, bastante gravosa, foi noticiada previamente pela 4gnews.

Administração Biden promete ser implacável com a Huawei

O dealbar de 2021 trouxe-nos a esperança de uma possível mudança e atenuar nas sanções aplicadas pelos EUA à Huawei. Mais concretamente, com a substituição da administração Trump pelo executivo de Biden, fãs por todo o mundo suspiram de alívio.

Este esperança seria, todavia, rapidamente esmagada quando, mais recentemente, seria reforçado. Em poucos meses qualquer esperança de alívio foi colocada de parte, com a Huawei a preparar-se para o pior.

As ações da Casa Branca foram sucessivamente escalando, privando qualquer agente económico norte-americano de encetar negociações com a tecnológica chinesa. Desse modo, condenando a Huawei a definhar lentamente no mercado mobile, por exemplo.

Honor estará a agir de acordo com os interesses da Huawei

Ainda de acordo com a sua entrevista à agência Reuters, a Secretária do Comércio afirmou não apoiar diretamente a imposição das mesmas restrições à Honor. Admite, contudo, que a hipótese está a ser avaliada pelo organismo que lidera com o intuito de acautelar os interesses norte-americanos.

Esta possibilidade foi levantada quando vários membros do Congresso norte-americano alertaram para as ligações, ainda existentes, entre a Honor e a Huawei. Mais concretamente, acusando esta de atuar de acordo com os interesses da empresa de Ren Zhengfei.

Aliás, chegam a afirmar que a venda da Honor, negócio jurídico que atribuiria independência operacional a esta empresa não passou de uma fachada. Persiste assim a suspeita de a Honor estar a agir, escamoteadamente, sob a batuta da Huawei e na prossecução dos interesses do grupo Huawei Technologies.

Em síntese, catorze membros do Congresso dos EUA afirmam que a Huawei usará toda a sua influência para, em desespero de causa, levar os seus interesses avante. Para tal, usarão a Honor como testa de ferro, entre outras estratégias e subterfúgios.

A Honor e a Huawei não comentaram as afirmações de Gina Raimondo, atual Secretária do Comércio dos Estados Unidos.

Editores 4gnews recomendam:

  • 5 razões para comprar o tablet Xiaomi Pad 5 (além do preço) em 2021
  • 22 bons jogos para PS4 agora em promoção na PlayStation Store
  • Xiaomi Watch Color 2 já tem design oficial: novo smartwatch promete surpreender
Rui Bacelar
Rui Bacelar
Na escrita e comunicação repousa o gosto, nas leis a formação. Ocupa-se com as novidades de tecnologia na 4gnews. Email: ruifbacelar@4gnews.pt