Google parece não ter nada contra o novo Microsoft Edge

Daniel Pinto

A Microsoft decidiu que seria benéfico para si e para os utilizadores do Microsoft Edge que este fosse baseado no Chromium. E foi isso que fez acontecer há já algumas semanas, para grande surpresa de muitos.

Não, não quer isso dizer que no futuro a empresa de Redmond vá esquecer o seu browser até porque este integra parte importante do futuro bem sucedido da gigante norte-americana. Aliás, poderás comprová-lo através da Timeline presente para Windows 10, que se compõe com o que é feito no iOS e Android, através do browser mencionado.

Microsoft Edge Browser

Com efeito, na presente semana o Google Meet deixou de funcionar corretamente no Edge. Ora, o primeiro pensamento que passou pela cabeça de vários utilizadores da plataforma teve que ver, como é óbvio, com a possibilidade da Google em não suportá-lo. Afinal, o mesmo aconteceu no passado inúmeras vezes.

Microsoft Edge é agora baseado em Chromium!

Há que relembrar até que, em nenhum momento, o Google Hangouts - por exemplo, foi suportado no Microsoft Edge. Logo, haveria uma pequena possibilidade de acontecer o mesmo agora. Todavia, um colaborador da Google veio confirmar o contrário. Isto é, a detentora do YouTube e do Android tem todo o prazer em saber que há mais uma alternativa ao Chrome, baseada em Chromium.

Assim, pelo menos para já, há que considerar que a mudança executada pela empresa sedeada em Seattle tem tudo para trazer o sucesso que procura há quatro anos com o substituto do Internet Explorer. Até que enfim, pode dizer-se.

O Edge foi, sem sombra de dúvida, um browser não muito bem aceite, até agora. Ainda que a sua capacidade para preservar a bateria do computador em que está a ser usado seja muito maior que aquela que o Chrome consegue dar, isso nunca foi um ponto suficientemente forte para que o público o usasse. E o mesmo pode dizer-se do suporte nativo a stylus no Windows 10.

O grande calcanhar de aquiles continuava lá. Este era composto pelas extensões e compatibilidade com determinados serviços e aplicações, como é o caso do Hangouts, mencionado anteriormente.

Veremos, portanto, até que ponto é que nenhuma detas questões se voltará a colocar no futuro.

Editores 4gnews recomendam:

Fonte