Samsung oficializa o fim dos Samsung Galaxy J

Filipe Alves

A Samsung decidiu colocar um fim à gama J. Os Samsung Galaxy J eram os smartphones de entrada da empresa sul-coreana e uma das gamas mais vendidas em Portugal e no Brasil. A empresa asiática revelou no seu mais recente vídeo que os Galaxy J passarão a ser os Galaxy A.

Ou seja, não esperes ver mais lançamentos com o nome J. Todos os smartphones de entrada e gama intermediária farão parte dos Galaxy A. A Samsung revelou alguns dispositivos da gama A este ano e este desfecho era provável.

Ainda que os Galaxy J tivessem mais vendas que o normal, os terminais tinham enormes lacunas quando comparados aos Galaxy A. Passo a explicar, com marcas como a Xiaomi e Huawei no mercado a oferecerem intermediários de qualidade por um preço baixo, a Samsung sabia que era uma questão de tempo até que os seus J deixassem de ter relevância.

Samsung Galaxy J5

Assim sendo, a fabricante decidiu pôr termo à gama J para dar mais ênfase aos Galaxy A. A Samsung lançou este ano o Galaxy A30 e A50 em março e o segundo já está à venda em lojas portuguesas por 369€.

Com isto aprendemos que o objetivo da Samsung já não passa por vender mais terminais de entrada. Em vez disso a empresa asiática quer mostrar que até nos gama média faz um trabalho relevante.

Tenho de admitir que nunca fui um grande fã da gama J, contudo, conseguia perceber a sua existência. Com este foco na gama A é possível que a marca consiga levar ainda mais longe a possibilidade de chegar a mais bolsos portugueses.

Ademais, um amigo chegado que trabalha num dos maiores retalhistas portugueses indicou-me que o Samsung Galaxy A50 tem vendido "que é uma maravilha". Veremos se esta jogada é o que a Samsung precisa para reconquistar os setor intermediário em Portugal.

Editores 4gnews recomendam:

Fonte | Via

Filipe Alves
Filipe Alves
Fundador do projeto 4gnews e desde cedo apaixonado pela tecnologia. A trabalhar na área desde 2009 com passagens pela MEO, Fnac e CarphoneWarehouse (UK). Foi aí que ganhou a experiência que necessitava para entender as necessidades tecnológicas dos utilizadores.