COVID-19: Youtubers poderão rentabilizar vídeos mas com algumas limitações

António Guimarães
Comentar

O YouTube anunciou através do Twitter que os criadores de conteúdo poderão colocar anúncios e rentabilizador vídeos cujo assunto seja COVID-19. Até agora, o YouTube marcava vídeos desse cariz como "conteúdo sensível", não permitindo aos criadores ganhar receitas dessa foram.

Ainda assim, existem algumas limitações. A plataforma não irá disponibilizar anúncios em vídeos que contenham "imagens desagradáveis ou chocantes", como por exemplo, vídeos de pessoas a sofrer com a doença.

Outra limitação, uma que é bastante pertinente, são as partidas. Vídeos de criadores a lamber sanitas, a espirrar ou a tossir em público e outro tipo de "pranks", não serão rentabilizadas, desencorajando pessoas a criar vídeos a fingir que estão infetadas para criar reações.

Adicionalmente, o YouTube irá proibir a rentabilização de vídeos que contenham falsas informações medicinais. Isto faz parte da luta da Google e outras empresas de internet contra a desinformação, na sequência do surto de COVID-19.

Criadores de conteúdo afirmam que assunto sempre deveria ter sido rentabilizado

Em resposta, alguns criadores de conteúdo afirmam que o COVID-19 é um assunto que não deve ser censurado e discutido livremente. Alguns argumentam que tirando os exemplos de desinformação e partidas de mau gosto, o assunto deveria ter sido sempre rentabilizado.

Editores 4gnews recomendam:

  • YouTube "Shorts" poderá ser a resposta desesperada da Google ao TikTok

  • Facebok Messenger recebe aplicação oficial para Windows 10 e macOS. Sabe como instalar

  • Zoom não vai receber novas funcionalidades graças às falhas de segurança, revela o CEO

António Guimarães
António Guimarães
Juntamente com os seus atuais companheiros Mi A2 e Surface Go, batalha para elucidar as massas sobre todos os acontecimentos da esfera tecnológica. "Informação é poder" é a frase que o acompanha diariamente. Talvez um dia a coloque numa t-shirt.