bq-aquarism10-4gnewsDurante as últimas semanas, tive o privilégio de ter em mãos o primeiro tablet a correr Ubuntu Touch, BQ Aquaris M10 Ubuntu Edition. Fiz por usufruir ao máximo das suas funcionalidades e agora está na hora de prestar as minhas declarações.

Design

bq-aquarism10-design-4gnewsO Aquaris M10 tem duas cores: preto e branco. Neste caso utilizei a versão em preto que me agradou bastante a nível visual. Todo o corpo do tablet é envolvido numa textura “mate” muito agradável ao toque e nada escorregadia. O Aquaris M10 tem um peso respeitável com 470 gramas mas é fácil de “manobrar”. As molduras não se fazem notar muito e acomodam as colunas frontais em baixo. No final das contas gostei de todo o aspecto.

Ecrã

bq-aquarism10-ecra-4gnewsSão 10.1 polegadas que constituem o ecrã do Aquaris M10. Tive ainda a vantagem da versão em preto ter resolução Full HD portanto a minha experiência esteve longe de ser positiva. A reprodução de cores, o brilho, a nitidez, os ângulos de visualização foram excelentes. Cada vez que consumia multimédia neste tablet sentia-me contente. É simplesmente um conjunto equilibrado do tamanho avantajado do ecrã e a alta resolução.

   

Performance

bq-aquarism10-performance-4gnewsA operar dentro deste dispositivo temos 2 GB de RAM e o processador MediaTek 8163A com ainda 16 GB de memória interna expansível por cartão micro SD. Na minha opinião o Aquaris M10 é um tablet mais orientado para produtividade devido à convergência e habilidade para usar programas de computador como o GIMP e o LibreOffice. No entanto, este Ubuntu Touch precisa de bastante optimização pois existe algum atraso na utilização, na visualização de vídeos no Youtube, enfim, no geral. Fiquei com a impressão de que o sistema operativo não estava totalmente dedicado ao hardware.

Câmara

bq-aquarism10-camara-4gnewsFotografar com um tablet é no mínimo…estranho. Todos nós temos um smartphone antes de um tablet logo a única a utilização que justifica uma câmara num tablet são chamadas de vídeo. Nesse aspecto o Aquaris M10 tem um desempenho satisfatório. Nada que me tenha feito ficar de boca aberta mas tanto a câmara frontal de 5 MP e a traseira de 8 MP fazem o seu trabalho. Testes de câmara poderão ser vistos na análise em vídeo.

Autonomia

bq-aquarism10-autonomia-4gnewsCom uma bateria de 7280 mAh, o M10 foi feito para durar. De facto tem uma autonomia satisfatória. Contudo devemos considerar que é um tablet grande, com um ecrã de alta resolução, um sistema operativo exigente e a utilização de um tablet é diferente da de um smartphone. Mesmo com todos esses factores consegui obter 2-3 dias com uso regular de ligação Wi-Fi, brilho a 50% e claro, consumo de multimédia.

Interface

bq-aquarism10-interface-4gnewsSe estás habituado ao Android, iOS ou Windows prepara-te para alguma curva de aprendizagem. O Aquaris M10 tem o sistema operativo Ubuntu Touch a gerir tudo. Existe uma loja de aplicações mas não irás utilizá-la para instalar muitos jogos ou aplicações “lúdicas”. Todo o interface é à base de deslizes ou swipes, sendo que cada swipe acede a diferentes funções, ou seja, do lado direito para as aplicações abertas, esquerda para a barra de tarefas, cima para as notificações ou baixo para uma lista de aplicações.

Convergência

bq-aquarism10-convergencia-4gnewsNão podia concluir esta análise sem falar da convergência. Mas o que é a convergência? Significa que mantens todo o teu ecossistema num só aparelho. Significa que podes utilizar o Aquaris M10 o dia todo, trabalhar nele, chegar a casa, ligá-lo ao monitor e entras em modo desktop. Isso mesmo, podes ligar este tablet a um monitor e ficas com acesso ao Ubuntu, com todas as funcionalidades. Podes ainda ligar um teclado ou rato bluetooth ao M10 e aumentar ainda mais a versatilidade. Para entusiastas isso vai garantir horas de diversão.

Opinião final

bq-aquarism10-conclusao-4gnewsResumindo e concluindo, o BQ Aquaris M10 é um tablet cheio de potencial. A nível de qualidade de construção, ecrã e autonomia somos muito bem servidos. A performance no geral é que desilude um pouco por causa dos atrasos e a falta de optimização. Felizmente esse lado é compensado com a convergência e “flexibilidade” deste tablet. Considero o Aquaris M10 o primeiro passo numa boa direcção e espero ver mais no futuro. Se fores um entusiasta e gostares de explorar, este dispositivo é para ti. Caso sejas um utilizador casual, lembra-te da curva de aprendizagem. No final do artigo tens a nossa análise em vídeo portanto aproveita pois nada como vermos pelos nossos olhos.

Talvez queiras ver: