Asus abandona característica única no novo ZenFone 8

Bruno Coelho
Comentar

É já no próximo dia 12 de maio que a Asus apresenta os seus novos smartphones topo de gama. Mas os ZenFone 8 prometem trazer uma pequena revolução face ao que a marca nos ofereceu nos últimos dois anos.

Recuemos até 2019. A Asus lançou o ZenFone 6 com câmara rotativa (flip camera). Esta permitia usar as câmaras traseiras como a câmaras frontais, e assim proporcionar aos utilizadores um ecrã sem interrupções.

A marca repetiu a façanha o ZenFone 7 e ZenFone 7 Pro, que testámos a aprovamos na nossa análise. Contudo, essa funcionalidade vai ser abandonada no ZenFone 8. Segundo o mais recente teaser, o ZenFone 8 terá um “punch-hole” (buraco) no canto superior esquerdo do ecrã.

Será interessante perceber se a Asus vai abandonar a sua característica única em todos os terminais. A julgar por este teaser, vai fazê-lo pelo menos no modelo mais compacto, que deve ser lançado com 5,9” polegadas. Poderá ser para usar esse espaço da câmara rotativa para mais bateria.

A câmara rotativa é uma funcionalidade que se pode dizer que se ama ou se odeia. Por um lado, estão os utilizadores que adoram. Podem tirar fotografias ou gravar vídeos frontalmente com a mesma qualidade. Como bónus, ainda têm um “ecrã completo”.

A Flip Camera do ZenFone 7 Pro

Por outro lado, estão os utilizadores que se queixam da sua fiabilidade em termos de resistência. Esta é uma câmara mais perecível de avarias, e com tal mecanismo não existe nenhuma resistência a água.

Independentemente de qual for a estratégia nos novos smartphones, estes serão oficialmente revelados a 12 de maio. Esperamos poder testá-los posteriormente. Nas redes sociais, as queixas a esta mudança já se registam.

Editores 4gnews recomendam:

  • Asus ZenFone 7 Pro Review: o melhor smartphone para selfies
  • Xiaomi Redmi K40 Gaming Edition é oficial com preço incrível!
  • Samsung Galaxy S22 Ultra trará um novo marco aos topos de gama da marca
Bruno Coelho
Bruno Coelho
Vive entre a paixão pela escrita, a música e a tecnologia. Licenciou-se em Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior em 2015, e fez parte da equipa que fundou o Jornal de Belmonte. Produziu vários podcasts independentes pelo caminho. Come especificações ao pequeno-almoço.