Apple tem mais de 1,8 mil milhões de dispositivos ativos e promete surpreender em 2022

Rui Bacelar
Comentar

Nunca existiram tantos produtos com o logótipo da maçã em utilização no mundo! Após ter revelado os seus resultados financeiros de 2021 e superado todas as expectativas dos analistas de Wall Street, a Apple, a gigante de Cupertino deu a saber que durante o último ano a base de utilizadores aumentou em 150 milhões.

Entre os anos de 2020 e 2021 os utilizadores ativos aumentaram 150 milhões. Agora, neste início de 2022, a Apple deu a saber que esta base de utilizadores aumentaria novamente em cerca de 150 milhões de utilizadores. Assim sendo, conta com mais de 1,8 mil milhões de dispositivos ativos globalmente.

Apple superou todas as expectativas neste início de 2022

Apple
Total de dispositivos ativos de acordo com a Apple.

Vemos, por exemplo, que entre 2019 e 2020 o número de dispositivos ativos aumentaria cerca de 100 milhões. Todavia, entre 2020 e 2021 aumentaria já na ordem dos 150 milhões de unidades. O mesmo crescimento seria registado entre 2021 e 2022.

São valores recorde que animaram a última reunião da alta cúpula da empresa e respetivos investidores. Assim, de acordo com os dados partilhados pela própria Apple, a empresa tem mais de 1,8 mil milhões de dispositivos ativos em todo o mundo.

Ainda de acordo com a empresa norte-americana, espera-se que até ao final de 2022 este valor chegue aos 2 mil milhões. A propósito, importa frisar que um dispositivo ativo é aquele que interagiu com os serviços Apple nos últimos 90 dias.

Ou seja, um iPhone, iPad, iMac, MacBook ou outro que tenha, de algum modo, sido registado nos servidores da empresa nos últimos três meses.

Receitas recorde acompanham o crescimento dos dispositivos Apple

Apple receitas

O aumento de dispositivos Apple ativos comporta também um crescimento das receitas. Assim, vemos um novo recorde trimestral e anual a ser alcançado pela empresa norte-americana com mais de 123,9 mil milhões de dólares amealhados ao longo de 2021.

Assim, notamos um crescimento anual das receitas na ordem dos 11%, indicador do vigor financeiro da tecnológica norte-americana apesar da pandemia COVID-19 ainda se arrastar. Aliás, o mesmo pode ser dito da crise de escassez de semicondutores.

Vemos ainda que o Apple iPhone continua a ser responsável pela maioria das receitas auferidas. Mais concretamente, durante o último trimestre que abrangeu a quadra natalícia, o iPhone foi responsável por 76,1 mil milhões de dólares a entrar nos cofres da Apple.

É um testemunho para a popularidade do iPhone, telefone que deu a liderança do maior mercado mundial de smartphones, a China, à empresa liderada por Tim Cook. Foi um feito inédito, tal como demos a conhecer na 4gnews, muito para gáudio desta empresa.

Editores 4gnews recomendam:

Rui Bacelar
Rui Bacelar
Na escrita e comunicação repousa o gosto, nas leis a formação. Ocupa-se com as novidades de tecnologia na 4gnews. Email: ruifbacelar@gmail.com