Amazon recebeu grande proibição na venda de produtos na França. Sabe o que significa

António Guimarães
Comentar

De acordo com o New York Times, a Amazon está proíbida de vender produtos não essenciais em França, sob pena de multas avultadas. A decisão foi tomada pelo tribunal de apelo em Versailles, que levou a Amazon a fechar 6 dos seus centros de encomendas no território francês.

Os funcionários dos centros foram colocados em regime de trabalho suspenso, embora com pagamento. Em resposta, a Amazon afirma que a França não esclareceu de forma percetível o que considera bens essenciais ou não.

Nous avons pris connaissance de l’issue de notre appel et restons perplexes face à la décision.

— AmazonNewsFR (@AmazonNewsFR) 24 de abril de 2020

No Twitter, a Amazon de França publicou, dizendo que "já sabemos da decisão do tribunal e estamos surpreendidos. Estamos atualmente a verificar as implicações para os nossos centros e funcionários."

Caso a Amazon viole esta restrição, poderá ser multada em 100 mil euros por cada encomenda que não cumpra com os requisitos. Durante o mês de maio, o tribunal francês irá voltar a analisar a situação.

A pandemia do COVID-19 está a prejudicar as empresas

Escusado será dizer que esta situação foi causada pela pandemia do COVID-19 e é compreensível a ação do governo francês, É provável que a Amazon não tenha tomado medidas satisfatórias nas suas entregas em território francês, levando a esta sanção.

A verdade é que com a pandemia, o número de encomendas online tem aumentado. A questão é que é difícil apurar o que é considerado bem essencial ou não visto que muitas pessoas estão em regime de teletrabalho, uma simples encomenda de um tablet pode ser essencial.

Editores 4gnews recomendam:

António Guimarães
António Guimarães
Juntamente com os seus atuais companheiros Mi A2 e Surface Go, batalha para elucidar as massas sobre todos os acontecimentos da esfera tecnológica. "Informação é poder" é a frase que o acompanha diariamente. Talvez um dia a coloque numa t-shirt.