Zoom será a próxima grande rival da Google e Microsoft! Entende como

Abílio Rodrigues
Comentar

O ano que agora está a terminar foi no mínimo peculiar, e assistiu ao nascimento e destruição de muitos sonhos. Se alguns viram a sua vida andar para trás, outros conseguiram retirar enormes benefícios de uma pandemia global que nos colocou a todos em casa.

A plataforma de videoconferência Zoom foi um dos negócios que mais floresceu neste cenário, e prova disso mesmo é a subida de 500% registada pelas suas ações em bolsa graças ao boom do teletrabalho provocado pela COVID-19

Zoom quer criar aplicações de email e calendário

Reminder that we are lifting the 40-min limit for meetings globally for holiday celebrations! 💙 #ZoomTogether10 a.m. ET Wednesday, Dec. 23, to 6 a.m. ET Saturday, Dec. 2610 a.m. ET on Wednesday, Dec. 30, to 6 a.m. ET on Saturday, Jan. 2 https://t.co/zeR8Aj2IH8

— Zoom (@zoom_us) 23 de dezembro de 2020

Aproveitando o balanço positivo, os seus responsáveis estão já a trabalhar na expansão dos serviços da marca, e parece que o primeiro produto será um serviço de email no navegador. De acordo com fontes próximas da empresa, os testes devem mesmo arrancar em 2021, com lançamento programado para um futuro mais ou menos próximo.

No entanto, nem só de email vive o homem, e a companhia considera também a criação de uma ferramenta de calendário, cujo desenvolvimento não se sabe se já arrancou.

A jogada da Zoom é inteligente nesta altura, já que suas grandes rivais no mercado de videoconferência oferecem também um conjunto de aplicações orientadas para a produtividade e empresas.

Microsoft e Google são as rainhas do mercado

A Microsoft, por exemplo, tem a sua suite de ferramentas Office 365, enquanto a Google coloca as suas ofertas sob a alçada do Workspace.

Ambas as plataformas oferecem soluções de videoconferência, email e calendário, por isso não é de estranhar que os responsáveis da Zoom olhem para estes dois últimos produtos como essenciais para a continuidade do seu crescimento.

Mais ainda, quando a situação atual terminar regressarmos à normalidade, muita gente voltartá a ocupar os escritórios, sendo provável uma diminuição da procura por serviços de videoconferência.

A visão dos executivos da Zoom pode fazer a diferença e assim salvar a empresa de acabar por cair para plano secundário, com perdas naturais de rendimentos.

Editores 4gnews recomendam:

Abílio Rodrigues
Abílio Rodrigues
Apaixonado por tecnologia desde que montou o seu primeiro computador, continua em fase lua-de-mel com tudo o que envolva um processador e permita umas sessões videolúdicas.