Youtube impõe novas regras para os criadores de conteúdos

Carlos Oliveira
Comentar

O Youtube anunciou algumas mudanças no processo de upload de conteúdos na sua plataforma. A partir do próximo ano, terás de definir se todos os teus vídeos são dirigidos a crianças. Esta nova regra aplicar-se-á a novo conteúdo e a todo aquele que já esteja no teu canal.

Estas mudanças surgem na sequência de um acordo entre o Youtube e a Comissão Federal de Comércio dos EUA, relativamente ao conteúdo dirigido aos mais pequenos. É frisado, mais do que uma vez, que as novas regras foram concebidas para que ninguém viole as leis, independentemente do país onde estejas.

Youtube quer saber se os teus vídeos são para crianças ou não

A partir de janeiro, todos os vídeos que publiques no Youtube terão de ser classificados como sendo, ou não, dirigidos a crianças. Uma medida que não se aplica apenas a novos vídeos, como também a todos os já existentes no canal.

Se és daqueles que cria exclusivamente vídeos para os mais novos, então poderás definir o teu canal como sendo dirigido a crianças. Tomada essa decisão, todo o teu conteúdo - velho ou novo - será catalogado de igual forma.

Importa notar que todo o conteúdo dirigido a crianças terá limitações como a remoção da caixa de comentários, cartões de informações ou anúncios personalizados. Significa isso que alguns criadores poderão ver a sua monetização cair.

Como sei se o meu conteúdo é dirigido às crianças?

Esta é uma das perguntas que mais preocupa os criadores de conteúdos. Para o Youtube, ninguém melhor do que tu para saber quem é a audiência dos teus vídeos. Ainda assim, a plataforma deixa algumas dicas de como saber se os vídeos são dirigidos a crianças.

Algumas das hipóteses são a inclusão de personagens, celebridades ou brinquedos que apelem a crianças. Temos ainda o caso da linguagem para ser entendida por crianças ou atividades que apelem a crianças.

Caso não classifiques os teus vídeos como sendo para crianças quando o deverias fazer, o Youtube reserva-se ao direito de o categorizar dessa forma. Tal pode acontecer em casos de dúvida, mas se a plataforma concluir isso está a ser usado de forma maliciosa, haverão consequências.

Editores 4gnews recomendam:

Comentar
Carlos Oliveira
Carlos Oliveira
Tendo já passado por várias casas, a 4gnews é aquela que me segura desde 2015. Com um desejo insaciável de me manter atualizado tecnologicamente, a partilha desse conhecimento é apenas o seguimento natural das coisas.