Xiaomi Redmi Note 11: versão global pode trazer grande mudança

Bruno Coelho
Comentar

No final do mês de outubro, a Xiaomi apresentou na China os Redmi Note 11. Estes são a linha mais recente de smartphones, com um histórico de sucesso sem par no mobile para a fabricante chinesa.

No primeiro trimestre de 2022, é esperado que estes smartphones aterrem nos mercados globais. Segundo os últimos rumores, o modelo base pode chegar com uma grande mudança que vai agradar a muitos utilizadores.

Versão global do Redmi Note 11 pode chegar com o Snapdragon 680

Recorde-se que a versão chinesa do Redmi Note 11 foi lançada com o processador MediaTek Dimensity 810. Segundo o leaker Chun, a versão global do Redmi Note 11 deve ser comandada pelo processador Qualcomm Snapdragon 680.

É importante realçar que o MediaTek Dimensity 810 dispõe de suporte para 5G. E a confirmarem-se estes rumores, o Redmi Note 11 global não terá suporte para 5G que este processador da Qualcomm não tem.

Esta não seria a primeira vez que a Xiaomi lançaria um smartphone com o mesmo nome e características diferentes dependentes do mercado. Nas restantes especificações, o Redmi Note 11 deve equiparar-se à versão chinesa.

Podemos assim esperar um terminal equipado com um ecrã IPS LCD de 6,6” polegadas, com resolução Full HD+ e 90Hz de taxa de atualização. Nesse painel está um punch-hole que aloja a câmara frontal de 16 MP.

Na traseira encontramos uma câmara principal de 50 MP, acompanhada por uma ultrawide de 8 MP. O equipamento conta com uma bateria de 5000mAh com carregamento rápido de 33W.

Assim que surgirem as certificações da versão global poderemos confirmar, ou não, estes rumores.

Editores 4gnews recomendam:

  • Xiaomi Mi Band 6 está com um desconto incrível na Amazon a tempo do natal
  • MIUI 13 chega a todos estes smartphones Xiaomi [lista completa]
  • Samsung Galaxy S21 FE: os pormenores que precisas saber do topo de gama barato
Bruno Coelho
Bruno Coelho
Vive entre a paixão pela escrita, a música e a tecnologia. Licenciou-se em Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior em 2015, e fez parte da equipa que fundou o Jornal de Belmonte. Produziu vários podcasts independentes pelo caminho. Come especificações ao pequeno-almoço.