Xiaomi recusa este processador de topo para os Redmi Note 12

Carlos Oliveira
Comentar

O vice-presidente da Xiaomi, Lu Weibing, serviu-se da rede social Weibo para auscultar os fãs da linha Redmi Note. Em rigor, este executivo quis reunir opiniões acerca daquilo que os fãs desejam ver na próxima linha de equipamentos Redmi Nonte 12.

Uma das principais sugestões foi a utilização do processador Snapdragon 870 em pelo menos um desses equipamentos. Uma hipótese que, infelizmente, foi prontamente recusada pelo responsável máximo pela marca Redmi.

Redmi Note 12 não vai utilizar o processador Snapdragon 870

Apenas duas semanas após o lançamento dos Redmi Note 11, Lu Weibing veio a público afirmar que as vendas desta geração e da sua antecessora estão a correr bem. Aproveitando a ocasião, inquiriu os seus seguidores acerca daquilo que gostariam ver na próxima geração Redmi Note.

O comentário de um seguidor a sugerir a utilização do Snapdragon 870 rapidamente se destacou. Cenário ao qual Lu Weibing não deixou de responder, porém, recusando a concretização dessa sugestão.

Weibo Redmi Note 12

O executivo foi perentório a recusar o uso deste processador de topo na linha Redmi Note 12. Com efeito, Weibing aponta que o Snapdragon 870 é direcionado para a linha Redmi K.

Isto significa que se desejas um smartphone da chinesa com um processador Snapdragon 870, terás de esperar pelo lançamento dos Redmi K50. Estes sim, são os topos de gama da sub-marca da Xiaomi e com reais chances de utilizar um SoC da linha Snapdragon 800 da Qualcomm.

Em contrapartida, os Redmi Note são equipamentos de gama média / alta que geralmente utilizam processadores da linha Snapdragon 700 ou os Dimensity 900 da MediaTek. Ou seja, estarão sempre ligeiramente abaixo dos Redmi K.

Relativamente aos processadores que a Xiaomi utilizará na linha Redmi Note 12, ainda é muito cedo para conhecermos esses detalhes. A nova família de smartphones só deverá ser desvendada na primavera de 2022.

Editores 4gnews recomendam:

Carlos Oliveira
Carlos Oliveira
Tendo já passado por várias casas, a 4gnews é aquela que me segura desde 2015. Com um desejo insaciável de me manter atualizado tecnologicamente, a partilha desse conhecimento é apenas o seguimento natural das coisas.