Xiaomi quer ser a empresa nº1 em todo o mundo

Mónica Marques
Comentar

O vice-presidente da Xiaomi, Lu Weibing, revelou alguns dos planos da empresa para o futuro próximo.

E de acordo com o responsável da marca, a Xiaomi vai concentrar todos os seus esforços para se tornar a empresa número um em todo o mundo.

Xiaomi está no top três do mercado global de smartphones

Lu Weibing weibo

A Xiaomi quer transformar-se na empresa número 1 em todo o mundo, nos próximos três anos e tem a estabilidade necessária para avançar para esse objetivo já no próximo ano. A revelação foi feita por Lu Weibing, numa publicação na rede social chinesa Weibo.

Os planos da empresa para se tornar líder de mercado, a nível global, não são propriamente uma novidade, uma vez que Lei Jun, fundador da Xiaomi, já tinha partilhado em agosto deste ano que a empresa estava a trabalhar com esse objetivo em mente.

E por todos os dados que são frequentemente divulgados por entidades como a IDC, Canalys e Counterpoint, a Xiaomi está perto de conseguir alcançar a meta definida. Recorde-se que os últimos dados divulgados sobre o terceiro trimestre do mercado global de smartphones em 2021, colocavam a Xiaomi, Apple e Samsung no top três do ranking.

Mas para ser a empresa número um do mercado global, a Xiaomi não se pode concentrar apenas no mercado de smartphones e, no que respeita a outros equipamentos de eletrónica de consumo, como televisores e notebooks, a Xiaomi está igualmente a ser bem-sucedida.

Xiaomi quer abrir mais 30 mil lojas nos próximos três anos

Para esta posição tão bem consolidada da Xiaomi no mercado da eletrónica de consumo, contribui e muito o sucesso da marca no mercado chinês com tantos milhões de utilizadores a escolherem a Xiaomi como a sua marca de eleição.

Mas Lu Weibing vai mais longe e revela que a empresa vai também apostar mais no mercado offline no futuro próximo. Nesse sentido, a Xiaomi tem o objetivo de abrir mais 30 mil lojas, nos próximos dois a três anos.

Editores 4gnews recomendam:

Mónica Marques
Mónica Marques
Como jornalista de tecnologia assistiu à chegada do 3G e outros eventos igualmente inovadores no mundo hi-tech ao longo de mais de 20 anos de carreira.