Xiaomi-logoA Xiaomi é uma das marcas que mais manchetes tem feito ultimamente. Esta OEM #chinaaopoder consegue surpreender tudo e todos com a excepcional relação Qualidade/Preço dos seus equipamentos e aos poucos tem se espalhado pelo globo.

Vê ainda: Xiaomi apresenta a Mi TV 2S, uma televisão 4K, Lollipop e tão fina quanto um smartphone

   

Apesar da sua popularidade crescente, a Xiaomi ainda está praticamente confinada ao mercado asiático, brasileiro e vendas online. No entanto, o seu vasto leque de equipamentos com preços extremamente competitivos, desde as novas Mi TV 2S, até aos smartphones e powerbanks, esta marca não pára de expandir o seu portfólio e precisará de se expandir para novos mercados para sustentar o peso do seu crescimento.

Tendo lançado as bases para o seu sucesso através das vendas online, Xiaomi não poderá continuar a evitar o mercado físico tradicional se quer singrar no mais importante mercado mundial, nada mais nada menos que o mercado norte-americano mas para conseguir vender os seus equipamentos por terras do “Uncle Sam”, a pequena grande Xiaomi ainda tem que ganhar muita fibra.

Uma das figuras mais míticas da Xiaomi, Hugo Barra já por inúmeras vezes admitiu que a marca tem planos para uma eventual expansão para os Estados Unidos e, ao ser pressionado durante uma entrevista recente, acabou por dizer:

“No less than a year plus, away” ou traduzindo para Português “Só daqui a pelo menos um ano”.

Este tempo de preparação é perfeitamente compreensível, até porque entrar num mercado como o norte-americano implica todo um processo de certificações legais, licenças, cadeias de envio, rede de reparações, suporte e garanti, entre outros factores. No entanto isto não parece demover a intenção do VP da Xiaomi em entrar no principal palco económico mundial.

Talvez queiras ver:

Quando não está a escrever um artigo ou a gravar algum vídeo, o Bacelar tem por hábito saborear um bom livro, descobrir novas bandas sonoras ou simplesmente desfrutar do sol, na companhia de quem mais gosta (MM).