Mota elétrica da Xiaomi por 400€ que não precisas de carta para conduzir

Filipe Alves

A Xiaomi lançou no seu website de crowdfunding, Youpin, uma nova bicicleta elétrica, que mais nos parece uma pequena mota elétrica com um preço simplesmente impecável.

Com o preço a rondar os 400€ (valor introduzido na China), esta pequena bicicleta elétrica tem um aspeto mais capaz do que a normal bicicleta que estamos habituados. Tem também um pequeno motor que nos pode levar até 120 quilómetros sem termos de pedalar.

Mota elétrica da Xiaomi

Esta bicicleta elétrica com o nome de " Mi HIMO T1" é baseada numa patente, porém, parece que a Xiaomi e a empresa que a fabrica conseguiram descortinar uma maneira de a tornar real. Assim sendo, a Xiaomi em parceira com a "Himo" decidiram lançar a bicicleta para o público. Caso o público decida comprar o pequeno gadget no crowdfunding é muito provável que a Xiaomi a volte a fabricar para o público em geral.

Será que esta bicicleta elétrica chegará a Portugal?

A Xiaomi já tem bicicleta elétrica à venda em Portugal. Desta vez, esta bicicleta é uma parceira entre a Xiaomi e a QICYCLE. Ou seja, a ideologia é a mesma o gadget é que é ligeiramente diferente. O preço é que não.

Bicicleta elétrica Xiaomi 2

A bicicleta elétrica é uma parceria entre a Xiaomi e a Himo

O website de crowdfunding da Xiaomi, Youpin, ajuda pequenas e médias empresas a levar os seus gadgets mais longe. Contudo, a Xiaomi também tem de ganhar com isto.

As marcas apresentam os projetos à gigante chinesa e, se interessar, podem lançar o produto na crowdfunding da Xiaomi com a sua aprovação e recomendação. Ademais, a Xiaomi normalmente integra os produtos inteligentes com a sua própria aplicação "Mi". Ou seja, a Xiaomi ganha porque tem mais produtos e as marcas mais pequenas ganham porque tem mais visibilidade e vendas do seu produto.

Filipe Alves
Filipe Alves
Fundador do projeto 4gnews e desde cedo apaixonado pela tecnologia. A trabalhar na área desde 2009 com passagens pela MEO, Fnac e CarphoneWarehouse (UK). Foi aí que ganhou a experiência que necessitava para entender as necessidades tecnológicas dos utilizadores.