Xiaomi Mi Band 6: a tecnologia que pode revolucionar a smartband

Bruno Coelho
1 comentário

A Xiaomi Mi Band 4 foi uma ‘pedrada no charco’ no que esta linha de smartbands diz respeito. Foi a primeira com ecrã a cores e a Mi Band 5, que uso no pulso diariamente, foi apenas um poço de pequenos incrementos de qualidade.

Passamos a ter um ecrã um pouco maior, o carregamento é agora feito de forma magnética, e é também possível ver a meteorologia no ecrã de forma direta. Mas o que pode trazer a Mi Band 6 que a torne revolucionária?

Motor de vibração linear pode revolucionar a Xiaomi Mi Band 6

O motor de vibração da atual Mi Band 5 é bastante básico. Mas tal como referem os nossos colegas do XiaomiAdictos, a tecnologia Mi Haptic da Xiaomi podia perfeitamente revolucionar este pequeno gadget.

O objetivo deste motor de vibração é oferecer aos consumidores uma experiência mais realista da vibração, que se adapta a cada ação. Basicamente poderias receber notificações com vários tipos de sensações no pulso.

Xiaomi Mi Band 4 (esq.) ao lado da Xiaomi Mi Band 5 (dir.)
Xiaomi Mi Band 4 (esq.) ao lado da Xiaomi Mi Band 5 (dir.)

O Mi Haptic é capaz de transmitir mais de 150 sensações diferentes. E principalmente a realizar atividades desportivas, este género de tecnologia já existente em vários smartphones da marca pode mudar a experiência por completo.

Outro ponto que esperamos ver melhorado na Mi Band 6 é o aproveitamento de ecrã. Na Mi Band 5 já existiam rumores de que tal acontecesse, mas o incremento foi residual. Agora com o lançamento da Honor Band 6 (ver imagem abaixo), a parada ficou elevada, e a Xiaomi terá de surpreender no lançamento da sua próxima smartband. Até porque agora a Amazfit também concorre no mesmo segmento.

Honor Band 6 eleva a fasquia para a futura Xiaomi Mi Band 6
Honor Band 6 eleva a fasquia para a futura Xiaomi Mi Band 6

Editores 4gnews recomendam:

Bruno Coelho
Bruno Coelho
Vive entre a paixão pela escrita, a música e a tecnologia. Licenciou-se em Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior em 2015, e fez parte da equipa que fundou o Jornal de Belmonte. Produziu vários podcasts independentes pelo caminho. Come especificações ao pequeno-almoço.