Android Xiaomi Mi 8 Explorer Edition SE
No dia 31 foram apresentados 3 novos smartphones desta fabricante.

Apresentado no dia 31 de maio de 2018, o novo Xiaomi Mi 8 Explorer Edition surpreende não só pelas suas características aqui apresentadas. Surpreende acima de tudo ou em primeiro lugar pelo seu aspecto. Sendo construído em vidro, a sua traseira é desprovida de um fundo opaco. O resultado? Temos os componentes internos à visa neste smartphone Android.

Ou, será que tudo não passa de uma bonita máscara para tornar este smartphone Android numa coqueluche ainda mais apetecível? A questão foi aqui noticiada na 4gnews e desde então continuou a gerar um aceso debate.

Vê ainda: Sondagem: OnePlus 6 ou Xiaomi Mi 8 Explorer Edition, qual preferes?

Por norma, com uma traseira opaca em 99% dos nossos dispositivos móveis, os componentes internos não são vistos pelos consumidores. Posto isto, não necessitam de ser elegantes, bonitos ou sinalizados.

Já no caso deste novo smartphone Android, o Xiaomi Mi 8 Explorer Edition, o cenário muda de figura com a Xiaomi a prometer que aquilo que vemos são efetivamente componentes do smartphone. Ainda assim, qualquer pessoa que desmonte um equipamento constatará que o mesmo não tem nenhuma desta sinalização.

O Xiaomi Mi 8 Explorer Edition tem uma traseira transparente

O debate começou quase imediatamente depois da apresentação do smartphone. Numa primeira peça a publicação The Verge punha em causa a natureza daquilo que vemos. Citando uma fonte próxima da indústria, o aspecto dos componentes era conseguido com um mero autocolante. Algo que caiu mal junto da marca, apressando-se a garantir que são efetivamente componentes da mainboard, placa mãe. Em seguida podemos ver ao pormenor a porção superior do novo smartphone Android.

Xiaomi Mi 8 Explorer Edition MIUI 10
O novo topo de gama da empresa chinesa superou a pontuação do iPhone X da Apple ©@gourg_valentin

Entretanto gerou-se um novo consenso com várias fontes a avançarem que este é realmente o aspecto dos componentes internos do smartphone. Na prática, temos aqui um fundo transparente com algumas adições aos componentes.

Isto é, começando desde logo pelo logótipo da Qualcomm, o mesmo não é visível em qualquer outro smartphone opaco. Ainda assim, aquilo que aqui vemos é realmente o SoC (system on chip), a única diferença é que desta vez está sinalizado como tal.

É um dos mais promissores smartphones Android do momento

Temos também vários outros diagramas e legendas dos componentes. Como é óbvio estas legendas não estão presentes em smartphones opacos mas os componentes são reais. Tudo leva a crer que tenha sido este embelezamento dos componentes que gerou os mal entendidos.

Entretanto surgiria outra teoria que sugeria que aquilo que vemos são apenas dummys, apenas uma máscara e não componentes funcionais. Caindo assim por terra a teoria do smartphone com autocolante na sua traseira.

Xiaomi Mi 8 Explorer Edition SE
A traseira transparente da versão de topo é inconfundível.

Ao invés, sugerem que este dummy mascara os componentes reais, sem que a performance do smartphone seja afetada. Posto isto, a sua remoção não afetaria de qualquer forma o funcionamento do terminal Android.

Sustentando esta teoria temos alguns dados concretos. Em primeiro lugar, o Xiaomi Mi 8 Explorer Edition tem as mesmas dimensões físicas do Mi 8 convencional. Na prática ambos medem 154.9 x 74.8 x 7.6 mm (altura x largura x espessura).

Já por outro lado temos uma grande diferença na capacidade das baterias. No primeiro temos uma célula de 3000mAh ao passo que na versão standard temos 3400mAh de capacidade. São uns 400mAh que perdemos na versão mais cara (premium).

O Snapdragon 845 da Qualcomm é o seu processador

Mais ainda, apesar da bateria menor, a versão premium pesa mais 2 gramas do que a versão convencional. Ora, com uma bateria menor temos mais espaço dentro do smartphone, espaço esse que terá sido ocupado pela “máscara” com a representação dos componentes.

Ainda assim é preciso ter em atenção que no Xiaomi Mi 8 Explorer Edition temos o leitor de impressões digitais embutido no ecrã. Algo que não está presente na versão standard. Temos também um sistema de reconhecimento facial 3D (Face ID) que só está presente nesta versão.

Fatores que podem ajudar a explicar esta discrepância nas capacidades da bateria e peso final do smartphone. Ainda assim, só mesmo com um desmontar passo-a-passo do terminal é que ficaremos a saber.

Assuntos relevantes na 4gnews:

Porque é que a Xiaomi está a investir fortemente na Índia?

Smartphones com quatro câmaras chegarão em breve – DxOMark

Landing Festival Lisboa: Tecnologia, Futuro e Carreira profissional

Fonte | via

Quando não está a escrever um artigo ou a gravar algum vídeo, o Bacelar tem por hábito saborear um bom livro, descobrir novas bandas sonoras ou simplesmente desfrutar do sol, na companhia de quem mais gosta (MM).