Porque é que a Xiaomi é tão importante e porque é que a devias conhecer

Filipe Alves

Este artigo não é destinado a todos os amantes da Xiaomi. Aliás, este artigo é feito para os amantes da Xiaomi explicarem aos não conhecedores da marca porque é que eles a deviam conhecer e porque é que deviam estar atentos aos seus produtos.

Prometo não fazer desta publicação longa e maçadora. Vou ser o mais direto possível explicando os vários fatores porque é que esta empresa asiática é tão importante neste momento e porque é que, se continua assim, será uma das mais importantes do mundo.

Vê ainda: Samsung Galaxy Note 9: Novos detalhes e informações do futuro phablet

Comecemos por dizer que a Xiaomi é uma das marcas mais vendidas na China. A empresa pode só agora estar a chegar à Europa de forma oficial, porém, é uma das fabricantes mais importantes no país asiático.

A Xiaomi combate quase lado a lado com empresas como Vivo, OPPO e Huawei. Para ser mais concreto, a Xiaomi vende mais na China do que Samsung e LG juntas.

Mas porque é que a Xiaomi é tão importante?

Não te vou contar a história toda mas preciso de te dar um contexto. A Xiaomi começou em 2008 como uma empresa que desenvolvia software para os equipamentos Android. Ao logo do tempo os amantes da conhecida MIUI (software da Xiaomi) começou a ficar disponível em mais smartphones. Daí surgiu a ideia de lançar o seu próprio equipamento.

Alan Kay disse um dia, "Quem realmente quer saber de software devia construir o seu hardware". Foi isso que a Xiaomi fez. Só que em vez de criar tal como as outras fabricantes, decidiu fazer dos seus produtos acessíveis para chegar ao máximo de gente possível.

Já tivemos marcas assim. A OnePlus começou com a ideia de "Flagship Killer" com um smartphone barato e com especificações de topo. Mas as empresas são feitas para lucrar. Ou fazes mais produtos ou sobes o preço dos teus.

Repara, a OnePlus subiu o preço do seu smartphone. Inicialmente custava pouco mais de 300€ e agora tem valores a rondar os 550€. A Xiaomi decidiu criar mais e mais produtos. Tantos que perdemos a conta.

A Xiaomi decidiu investir em tudo e mais alguma coisa. Temos smartphones, televisões, smartbands, tampas de sanita, aspiradores, luzes... Todos eles inteligentes (ou lá perto).

Hoje em dia é possível ter uma casa inteligente com produtos jovem empresa chinesa. Embora seja um pouco complexo devido à preferência pelo Mandarim, é possível.

Podia continuar a divagar tudo e muito mais, mas vou-te começar a ser mais específico.

As sapatilhas inteligentes da Xiaomi

A Xiaomi é diferente das outras marcas em muitos aspetos. Um dos mais relevantes é o seu website de crowdfunding. A marca tem na China um website em que lança ideias de produtos. Se os produtos forem populares e tiverem fundo por parte dos utilizadores, fabricam-no, se não tiverem investimento devolvem o dinheiro ao utilizador.

Desta forma a empresa não investe em produtos que não vão ter sucesso. Se o produto for bem recebido e com mais procura que o normal continuam a fabrica-lo e escalam a venda para fora da China.

Esta é uma forma inteligente que muitas empresas chinesas estão a tentar desenvolver, porém, não têm a comunidade que a Xiaomi (ou a 4gnews) tem. Não tem aquele apoio do público que precisam para ir mais longe.

Não esperes uma Xiaomi inovadora!

Aqui os amantes hardcore da marca quase que me vão bater mas esta é a minha opinião e não a vou esconder. Não esperes uma Xiaomi inovadora. Tirando o Mi Mix (primeiro equipamento com margens muito reduzidas) a marca não nos deu nada novo.

Mas a empresa dá-nos mais do que isso! Dá-nos aquilo que todos desejamos. Produtos bons, produtos tecnologicamente evoluídos e com um preço imbatível. Um preço que rebenta com a concorrência.

No início as pessoas até podiam desconfiar, afinal de contas, "quando a esmola é grande o pobre desconfia". Mas a experiência é boa e, no final do dia, são poucos os utilizadores que não estão satisfeitos.

A Xiaomi ainda não está preparada para a Europa mas tudo o tempo resolve

A Xiaomi ainda não está preparada para a Europa. A marca tem milhares de pessoas a trabalharem de borla na evolução do seu software (yap) mas mesmo assim o software é maioritariamente em Chinês.

Quando a Xiaomi conseguir o mesmo na Europa que conseguiu na China, prepara-te para ver produtos da marca em tudo quanto é lugar. Prepara-te para ver a marca a crescer e prepara-te para ouvires falar mais desta jovem, mas gigante, tecnológica.

A Xiaomi vai crescer e vais ouvir falar desta marca. Isso é garantido!

Assuntos relevantes na 4gnews:

Google Play Store: 5 jogos minimalistas que estão grátis e tens de instalar

Android. ZTE resolve o problema da câmara frontal com um segundo ecrã

Pokémon Quest: O mais recente jogo da Nintendo chegou a iOS e Android

Filipe Alves
Filipe Alves
Fundador do projeto 4gnews e desde cedo apaixonado pela tecnologia. A trabalhar na área desde 2009 com passagens pela MEO, Fnac e CarphoneWarehouse (UK). Foi aí que ganhou a experiência que necessitava para entender as necessidades tecnológicas dos utilizadores.