Xiaomi e Tesla entre as 50 empresas com mais futuro, para a Fortune

Bruno Coelho
Comentar

A revista Fortune já lançou uma das suas listas anuais mais interessantes. A Fortune Future 50 visa reconhecer as 50 empresas com mais futuro, e a Xiaomi, a Tesla e o Spotify estão entre as mais cotadas.

A Xiaomi figura no 19º lugar nesta lista, e festejou o ‘feito’ com uma publicação nas redes sociais. A empresa agradeceu a todos os que a apoiam. “Um grande obrigado de coração a todos os nossos Mi fãs e parceiros À volta do mundo. Não existe Mi sem ti”, pode ler-se.

Great news! Xiaomi has been listed on The Fortune #Future50 list for the second consecutive year! Thank you @FortuneMagazine for the recognition!A big heartfelt thank you to all our Mi Fans and partners around the world! There truly is #NoMiWithoutYou! pic.twitter.com/41R2vYtaMt

— Xiaomi (@Xiaomi) 9 de dezembro de 2020

Tesla em 18º lugar nas empresas com mais futuro, segundo a Fortune

A Xiaomi aparece aqui com um valor de mercado de 79,541 mil milhões de dólares. E logo acima, no 18º lugar está a Tesla. A empresa liderada por Elon Musk aparece aqui com um valor de mercado de 464,102 mil milhões de dólares.

Mesmo tendo um valor de mercado de 49,292 mil milhões de dólares, o Spotify está bem acima na lista. A empresa de streaming figura aqui no 10º lugar de empresas com mais futuro. A lista é liderada pela ServiceNow, que proporciona serviços de computação em nuvem.

Se quiseres conhecer a lista completa, podes consultar o site oficial da Fortune Future 50 de 2020. Ali encontras as empresas com mais perspetivas de futuro, onde se encontram também o Twitter, a Adobe, o Paypal ou a Amazon.

Esta lista não é apenas baseada no valor de mercado, e fornece também dados como os lucros, o números de funcionários e as receitas. No final, a Fortune estabelece uma pontuação média, que determina os lugares na lista.

Editores 4gnews recomendam:

Bruno Coelho
Bruno Coelho
Vive entre a paixão pela escrita, a música e a tecnologia. Licenciou-se em Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior em 2015, e fez parte da equipa que fundou o Jornal de Belmonte. Produziu vários podcasts independentes pelo caminho. Come especificações ao pequeno-almoço.