Xiaomi, Apple ou Samsung? Vê quem manda no mercado de smartphones

Bruno Coelho
Comentar

Começamos finalmente a ter uma ideia de como andou o mercado mobile durante o ano de 2021. Os analistas da Canalys já revelaram o mais recente relatório sobre o ano que findou, e o mercado global cresceu 7% face a 2020.

Os números regressam, segundo estas estimativas, a nível ‘pré-Covid-19’. No total, terão sido enviados qualquer coisa como 1,35 mil milhões de smartphones em 2021, bem perto dos 1,37 mil milhões de 2019, antes de pandemia.

Samsung continua a liderar mercado mobile em 2021

xiaommi
Envios de smartphones e crescimento em 2021. Crédito: Canalys

Face ao ano anterior, as cinco marcas mais vendidas mantêm-se inalteráveis. E ao cabo de mais um ano, é sem grande surpresas que vemos a Samsung a liderar, com 274,5 milhões de envios. Isto confere-lhe uma quota de mercado de 20%, e subida de 7% face ao ano anterior.

A Apple mantém-se na segunda posição do ranking, com uns igualmente impressionantes 230,1 milhões de envios. Isto confere-lhe uma subida de 11% nos envios face a 2020, e tem agora uma quota de mercado de 17%.

Xiaomi consegue a maior subida mas mantém-se no 3.º lugar

No terceiro lugar encontramos a maior subida. A Xiaomi tinha em 149,6 milhões de envios em 2020, e em 2021 passou para os 191,2 milhões, uma subida de 28% (a maior entre todas as marcas). Passou de uma quota de mercado de 12% para 14%.

A Oppo (com OnePlus incluída) aparece aqui com 145,1 milhões de envios, e uma subida de 22% face aos 119,4 milhões de 2020. Tinha uma quota de mercado de 9%, sendo que agora é de 11%.

Em quinto lugar encontramos a Vivo. Mesmo sem expressão em mercados como a Europa, já tem quota de mercado de 10% (face aos 9% de 2020). Passou de 112,6 milhões de envios para 129,9 milhões.

Em 2022 a Canalys prevê que o mercado continue a tendência de subida.

Editores 4gnews recomendam:

Bruno Coelho
Bruno Coelho
Vive entre a paixão pela escrita, a música e a tecnologia. Licenciou-se em Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior em 2015, e fez parte da equipa que fundou o Jornal de Belmonte. Produziu vários podcasts independentes pelo caminho. Come especificações ao pequeno-almoço.