Wordle: popular jogo foi vendido. O que muda?

Bruno Coelho
Comentar

Chama-se Wordle, e é um dos jogos mais populares do momento. Esta segunda-feira o The New York Times anunciou que adquiriu o título por um valor “na parte inferior das sete casa decimais”.

A compra foi anunciada esta segunda-feira, e feita ao criador Josh Wardle, um engenheiro de software de Brooklyn. A ideia reflete a importância de jogos de palavras-cruzadas, ou o Spelling Bee, numa altura em que a empresa pretende chegar aos 10 milhões de subscritores digitais até 2025.

Como funciona o Wordle

O Wordle é um jogo que podes jogar online e, pelo menos nos próximos tempos, de forma totalmente gratuita. O objetivo é adivinhar uma determinada palavra em apenas seis tentativas.

Cada tentativa deve ser feita com uma palavra válida com cinco letras. Aí clicas no botão para submeter. Após cada tentativa, a cor das peças vai mudar para mostrar quão perto estás de adivinhar a palavra.

Se tiveres uma peça verde, significa que essa letra está certa e no sítio correto. Se tiveres uma peça amarela, significa que essa letra faz parte da palavra, mas encontra-se no sítio correto. Uma peça cinzenta indica que a letra não está de todo na palavra.

A cada dia está disponível uma nova palavra. O Termo, que funciona igualmente na língua de Camões.

O Wordle começou a ganhar tração em novembro com apenas 90 utilizadores. Atualmente são milhões a jogá-lo diariamente, e os números continuam a crescer. Este é jogado online, e permite e a partilha dos teus resultados diários nas redes sociais.

O New York Times avança que para já o jogo vai continuar a ser gratuito, e os utilizadores não perderão o progresso.

Editores 4gnews recomendam:

  • Xiaomi TV Stick 4K já está à venda em estreia mundial
  • PlayStation permite finalmente ligação ao Discord: como ativar
  • Samsung está a lançar o patch de segurança de fevereiro para este smartphone
Bruno Coelho
Bruno Coelho
Vive entre a paixão pela escrita, a música e a tecnologia. Licenciou-se em Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior em 2015, e fez parte da equipa que fundou o Jornal de Belmonte. Produziu vários podcasts independentes pelo caminho. Come especificações ao pequeno-almoço.