WhatsApp recua na limitação de funcionalidades da sua aplicação

Carlos Oliveira
Comentar

A controvérsia em torno dos novos Termos e Condições do WhatsApp continua. Após ter comunicado que aqueles que recusassem as novas condições perderiam acesso a algumas funcionalidades da aplicação, a rede social recua na sua palavra.

Num esclarecimento enviado ao The Verge, o WhatsApp informa que não vai limitar ou restringir as funcionalidades disponíveis na sua aplicação de troca de mensagens. Uma notícia que certamente deixará os utilizadores da plataforma mais sossegados.

Esta mudança de estratégia surge depois de ouvidas as autoridades e alguns especialistas em privacidade. O WhatsApp não vai punir aqueles que não se sentem confortáveis com os novos Termos e Condições aplicados pela cadeia Facebook.

WhatsApp

Utilizadores serão livres de aceitarem ou não os novos Termos do WhatsApp

As novas condições da plataforma WhatsApp entraram em vigor no passado dia 15 de maio, com maior reflexo fora da União Europeia. Apesar de toda a controvérsia que estes geraram desde o seu anúncio, a plataforma de troca de mensagens foi avante com a sua decisão.

Antes de os novos Termos e Condições entrarem em vigor, a plataforma lançou um ultimato aos seus utilizadores. Estes foram pressionados a aceitar as novas condições ou seriam penalizados com a restrição de algumas funcionalidades populares do WhatsApp.

Aqueles que declinassem as imposições do WhatsApp perderiam acesso à sua lista de conversações ou deixariam de ser notificados da receção de novas mensagens. Esta última seria progressiva, dando ao utilizador uma sensação de retrocesso nas valências desta plataforma de comunicação.

Sabe-se, agora, que estas restrições não serão aplicadas tal como o WhatsApp anunciou no início deste mês. Um fenómeno transversal aos que aceitem ou rejeitam as novas imposições que o serviço detido pelo Facebook aplicará.

O que motivou a polémica com o WhatsApp

Tudo começou em janeiro deste ano quando o WhatsApp anunciou os seus novos Termos e Condições. A alínea que despertou a raiva e descontentamento entre os seus utilizadores informava para uma partilha de informações pessoais com o Facebook.

Esta partilha rapidamente instaurou o desconforto no seio dos utilizadores do WhatsApp que receavam pela privacidade dos seus dados. Um sentimento que a plataforma de troca de mensagens tentou rapidamente acalentar ao esmiuçar de que forma tais dados seriam, ou não, partilhados com terceiros.

Os esforços do WhatsApp revelaram-se inglórios ao evitar o êxodo de milhares de utilizadores para plataformas concorrentes. Muitos desses poderão nunca mais voltar ao serviço detido pelo Facebook apesar da sua postura mais complacente com os receios da sua comunidade.

Editores 4gnews recomendam:

Carlos Oliveira
Carlos Oliveira
Tendo já passado por várias casas, a 4gnews é aquela que me segura desde 2015. Com um desejo insaciável de me manter atualizado tecnologicamente, a partilha desse conhecimento é apenas o seguimento natural das coisas.