Volkswagen ID.6 apresentado: o SUV elétrico que não vais poder comprar

Bruno Coelho
Comentar

A Volkswagen aproveitou o Salão Automóvel de Xangai para apresentar a sua próxima proposta para o segmento de SUVs elétricos. Falamos do novo Volkswagen ID.6, que infelizmente não vais poder comprar.

Este será um modelo indisponível para os consumidores ocidentais, já que foi anunciado que será exclusivamente vendido na China. É uma versão maior do ID.4 que recentemente chegou a Portugal, e tem capacidade para ate 7 lugares.

Este novo Volkswagen ID.6 toma inspiração do ID.Roomzz. Esse conceito foi apresentado neste mesmo salão automóvel em 2019. Infelizmente, perde uma das características mais distintivas desse conceito - as portas deslizantes.

Volkswagen consegue fazer dos 0 aos 100 km/h em 6,6 segundos

O automóvel estará disponível em versões com bateria de 58 kWh (ID.6 Crozz) e 77 kWh (ID.6 X). A nível estético mantêm a ideologia do ID.4, tanto no exterior, como no minimalismo patente no interior.

As versões base de tração traseira, contam com 179 cv e 204 cv. Já a variante com dois motores e tração integral conta com 306 cv. Esta consegue fazer dos 0 aos 100 km/h em 6,6 segundos. A velocidade máxima de todos os modelos é de 160 km/h.

Volkswagen ID.6 promete autonomia até 588 km

Sob o ciclo NEDC, a bateria do ID.6 varia consoante os cenários escolhidas. Na versão de 58 kWh estão prometidos 436 km, enquanto na versão de 77 kWh prometem 588 km.

Para já não existem datas para a comercialização deste veículo no mercado chinês, nem o preço que vai custar nesse país onde será vendido se forma exclusiva.

Editores 4gnews recomendam:

  • Volkswagen ID.4 em Portugal: preços e versões do rival do Tesla Model Y
  • Volkswagen ‘pão de forma’ elétrica: há mais detalhes sobre a ID.Buzz
  • Mercedes-Benz EQS é oficial: carro elétrico premium com autonomia a condizer
Bruno Coelho
Bruno Coelho
Vive entre a paixão pela escrita, a música e a tecnologia. Licenciou-se em Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior em 2015, e fez parte da equipa que fundou o Jornal de Belmonte. Produziu vários podcasts independentes pelo caminho. Come especificações ao pequeno-almoço.