TZOA um wearable que o informa onde encontrar ar puro

Carlos Torres

tzoa5 Um grupo de designers canadainos criaram um dispositivo wearable que monitora dados ambientais, incluindo a qualidade do ar e radiação UV, apresentando as medições através de uma aplicação.

Projectado pela Woke, com base em Vancouver, o pequeno dispositivo TZOA vem com um clip-on, possui um contador óptico de partículas que transmite dados para um smartphone ou tablet para que o utilizador possa ver quanto limpo ou sujo o ar é ao seu redor.

tzoa.jpgtzoa2.jpgtzoa3.jpgtzoa4.giftzoa5.gif

"TZOA é um dispositivo pioneiro no monitoramento ambiental", diz a equipe do TZOA, "um controlador inteligente do ambiente, que capacita as pessoas a melhorar os seus hábitos saudáveis, e serve como uma ferramenta para compreender melhor o que está em seu arredor". O clipe em plástico circular, parecido com um pin, coberto com uma cápsula metálica triangular e intercambiável, é especialmente concebido para prender numa mochila, casaco ou carteira.

As partículas em suspensão no ar tanto podem ser sólidos ou gotículas. As com menos do que 10 micrômetros, menores que o diâmetro de um cabelo humano, são conhecidos como "partículas grossas" (PM10) e estão misturadas no ar durante trabalhos de construção ou por veículos ao levantar poeira. Partículas menores que 2,5 micrômetros (PM2,5) são chamados de "partículas finas" e são causadas pelos gases de escape, outros tipos de combustão como incêndios naturais e vários processos industriais. Dados da radiação UV, humidade, temperatura e níveis de luz também são colectados por meio de um sensor e apresentados de uma por uma aplicação propria, que usa um layout minimalista e gráficos ousados para ilustrar os dados. Se os níveis de qualquer dados rastreados apresentar valores anormais, a aplicação envia uma notificação para o dispositivo do utilisador a alertá-lo. O dispositivo também é projectado para funcionar em ambientes fechados, funcionado também na contagem de partículas, incluindo mofo, poeira e substâncias cancerígenas.

Talvez queiras ver:

Queremos saber a tua opinião sobre este assunto por isso fica livre de comentar abaixo. Clica aqui para saberes como ajudar a 4GNews!