Squid Game: mulher queixa-se de milhares de chamadas por culpa da série da Netflix

Bruno Coelho
Comentar

Já imaginaste como seria se o teu número de telemóvel aparecesse numa das séries de maior sucesso de sempre da Netflix? Pois bem, foi isso mesmo que aconteceu a uma cidadã sul-coreana.

Caso ainda não tenhas visto a série, esta conta-nos a história de Gi-hun. Este encontra-se falido e desesperado, o que o leva a participar num jogo enigmático para ganhar dinheiro. O mesmo acontece com mais 455 jogadores que têm de ligar para um número.

Número telefone que aparece em Squid Game existe

Esse número aparece no cartão com que estes são convidados. Ora, o problema é que esse número existe e pertence a uma mulher de negócios de Seongju, sudoeste da Coreia do Sul.

Ao jornal Money Today, esta queixa-se de ter recebido milhares de chamadas e mensagens, “ao ponto de ser difícil continuar com a vida normal”. Esta afirma que usa o número em questão “há mais de 10 anos”, mas o ‘terror’ começou com a popularidade da série.

Squid game

“Ao início eu não sabia o porquê, mas um amigo disse-me que o meu número apareceu em Squid Game e foi quando eu percebi”, revela. A queixosa já terá rejeitado ofertas de compensação de até cinco milhões (3635 €).

Netflix vai editar o número nas cenas em que aparece

A mulher está assim a receber milhares de chamadas e mensagens de pessoas querem “jogar”, como na série. Perante este cenário, a Netflix já veio a público referir que o número de telefone será editado nas cenas em que aparece.

"Com a produtora, estamos a trabalhar para resolver esse problema, incluindo a edição de cenas com números de telefone quando necessário", afirmou a Netflix, sem comentar as referidas compensações.

Squid Game estreou a 17 de setembro, e tudo aponta para que seja a série mais popular de sempre na plataforma de streaming.

Editores 4gnews recomendam:

Bruno Coelho
Bruno Coelho
Vive entre a paixão pela escrita, a música e a tecnologia. Licenciou-se em Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior em 2015, e fez parte da equipa que fundou o Jornal de Belmonte. Produziu vários podcasts independentes pelo caminho. Come especificações ao pequeno-almoço.