Qualcom proces

Uma das perguntas que podemos fazer e que pode gerar alguma discussão é realmente de qual será a parte mais importante de um smartphone, será a qualidade de construção ou o ecrã… e, claro , vai depender também da opinião pessoal mas para mim o mais importante será sempre a performance, porque se pensarmos bem, se o smartphone não se “despachar” a realizar a tarefa que o comandamos fazer, a frustração do utilizador vai aumentando resultando num descontentamento o que, no geral, não é nada bom.

Mas nos últimos tempos esta situação tem melhorado bastante, mesmo para smartphones de gama baixa e, na gama alta, provavelmente, todos os meses são batidos recordes de performance em dispositivos móveis, mas um dos maiores problemas relacionados com altas performances é um resultado da mesma, calor, muito calor, que nem sempre é possível evacuar da melhor forma e tornar-se tão insuportável que é necessário tirar o smartphone da mão e colocá-lo a arejar na rua. Este tem sido um problema que tem, supostamente, atingido a Qualcomm especialmente, na produção do novo topo de gama da marca, o Snapdragon 810 que por coincidência, visto tratar-se de um dos melhores processadores existentes, equipa os melhores e mais recentes flagships.

   

Pelos vistos, o problema da temperatura foi resolvido, mesmo antes de os smartphones equipados com o 810 chegarem às mão dos consumidores, com, de certeza, algum esforço e trabalho por parte da Qualcomm resultando numas atualizações de software que resolveram logo problema, isto é… se realmente existiu o problema.

Completamente sem relevância, o que interessa é que o problema está resolvido e os consumidores estão satisfeitos, o que deve ser exatamente um dos objetivos principais dos fabricantes, e aliás, de acordo com novos testes, o Snapdragon 810 atingiu uma temperatura menos elevada do que o seu antecessor, o 801, o que nos mostra, com clareza, que é possível melhorar performance e diminuir o calor gerado.

HTC-One-M9-Plus-official-images 3

Já são alguns os smarpthones que estão equipados com o Snapdragon 810, todos são flagships das marcas mais influentes no mercado das tecnologias, a lista inclui o HTC One M9, o LG G Flex 2, o Sony Xperia Z3+, o Xiaomi Mi Note Pro e o, menos conhecido, ZTE Nubia Z9. Todos estes dispositivos são dignos de algum de tipo de veneração pois simbolizam exatamente um futuro, que nós à uns anos nem pensamos ser possível atingir em dispositivos relativamente pequenos e em tão pouco tempo, materializado, palpável e com o qual temos contacto todos os dias.

Todavia falta um dispositivo na lista, o icónico Samsung Galaxy S6, que não está equipado com o Snapdragon 810 mas sim com um processador proprietário da Samsung, o Exynos 7420, o que não é nada de mau, de maneira alguma e antes pelo contrário, a Samsung desenvolveu um excelente processador que equivale muito bem a um Snapdragon 810 e que merece estar com certeza no flagship da marca.

Mas a decisão de equipar o S6 com o Exynos e não com o 810 é que é interessante, pelos vistos a Samsung escolheu não o fazer exatamente pelo problema de sobreaquecimento do 810, e considerando o facto de a Samsung não poder falhar em nenhum aspeto com esta nova versão do Galaxy S decidiu arriscar e pôr um Exynos no S6. Uma corajosa jogada por parte da Samsung.

E é assim, que em todos os dias, todos nós assistimos ao desenvolvimento completamente inédito do futuro dos smartphones e que será daqui a uns anos a base para a produção de dispositivos que podem realmente revolucionar a nossa vida. A Qualcomm com a crescente competição da MediaTek com a sua linha Helio que promete trazer uma performance inigualável, pode vir a acelerar o desenvolvimento de melhores processadores. Daqui em diante iremos começar a ver novos dispositivos equipados com o 810 ou com o Helio P10, por exemplo, que em termos de performance serão os melhores do mercado.

Talvez queiras ver:

Membro do 4GNews há já 1 ano e estudante no 12º ano. Se bem me lembro , comecei a interessar-me por smartphones e outras coisas desde o momento que consegui perceber do que realmente se tratavam! Tive imensa sorte e encontrei este site, mandei um email e aqui estou a escrever para a 4GNews - um site originalmente PORTUGUÊS.