Smartwatch: nem a Google parece acreditar no WearOS

Filipe Alves
Comentar

Ter um smartwatch em 2020 já não é uma coisa de nerds ou geeks. Os relógios inteligentes começaram a fazer parte da nossa vida com as melhorias consideráveis ao longo dos anos e o seu foco na saúde e bem-estar.

Neste momento temos duas grandes plataformas a combater pelo primeiro lugar. O WatchOS da Apple e o WearOS da Google. Ainda assim, neste segmento há bem mais concorrência que nos smartphones. Samsung, Huawei, OPPO ou até Xiaomi utilizam o seu sistema operativo nos seus smartwatches.

Google preferiu WatchOS da Apple ao WearOS

YouTube Music WatchOS Apple

Porém, a nova decisão da Google deixa-nos a questionar o quão é que a empresa acredita no seus sistema. A Google acaba de lançar a sua mais recente aplicação do YouTube Music para os relógios inteligentes...da Apple.

Ou seja, a aplicação é feita pela Google, o YouTube pertence à Google e o Wear OS também é da Google. No entanto, a empresa decidiu por bem dar o petisco mais saboroso a todos os utilizadores do iPhone.

Isto porque quem tem um Apple Watch não o consegue emparelhar com outro smartphone que não uma maçã trincada. Aliás, a Apple é a única que se pode gabar neste momento de criar um sistema tão restrito como este. Porém, só o cria porque as concorrentes continuam a não perceber a jogada e "a dar borlas" como esta do YouTube Music.

WearOS tem muito que evoluir

WearOS da Google

Já há uns bons meses que não utilizo um WearOS da Google, contudo, não há nada que me chame para voltar. A minha experiência com WearOS deixa sempre a desejar.

Por muito que o relógio até tenha boas especificações, não há altura que o software não sofra. O próprio User Interface está longe de ser tão minimalista e simples quanto o Apple WatchOS.

Estou sinceramente ansioso por ver a Google evoluir o sistema dos relógios inteligentes. Quem sabe quando a empresa lançar o seu smartwatch olhe para estas decisões de forma mais séria.

Editores 4gnews recomendam:

Filipe Alves
Filipe Alves
Fundador do projeto 4gnews e desde cedo apaixonado pela tecnologia. A trabalhar na área desde 2009 com passagens pela MEO, Fnac e CarphoneWarehouse (UK). Foi aí que ganhou a experiência que necessitava para entender as necessidades tecnológicas dos utilizadores.