O presente ano será aquele em que a Apple finalmente irá lançar um iPhone com um ecrã OLED. Os rumores têm apontado para que seja apresentado um iPhone 8 com este tipo de ecrãs e outras tecnologias até agora fora dos equipamentos da Apple e, possivelmente, os iPhone 7s e iPhone 7s Plus com ecrãs LCD.

Vê também: Apple passará Microsoft em vendas de “smart devices” de acordo com a Gartner

   

Quem irá fornecer à Apple os ecrãs OLED necessários para o desenvolvimento do iPhone 8 será, ao que tudo indica, a Samsung, tendo a empresa de Cupertino feito já uma encomenda de 100 milhões de unidades à rival Sul-Coreana. Em 2018, a Apple continuará a depender da Samsung para a implementação dos ecrãs OLED em todos os seus modelos, mas tal dependência terminará nesse ano.

Segundo a Digitimes, a Sharp irá montar uma linha de produção de ecrãs OLED na fábrica da Foxconn, na China, cuja produção começará em 2019. Relembro que a Sharp foi adquirida pela Foxconn no ano passado, num negócio que ascendeu aos 6.2 mil milhões de dólares.

O investimento a ser empregue nesta nova linha de produção deverá rondar os 864 milhões de dólares. Mesmo sem ser referido em momento algum o destino dos ecrãs a serem produzidos nesta nova linha, o mais certo é que os mesmos sejam destinados aos smartphones da Apple, não fosse a Foxconn a responsável pela montagem deste produto da gigante de Cupertino.


Para aqueles que poderiam estar algo reticentes quanto ao futuro dos iPhone´s com ecrãs OLED, penso que esta notícia vem demonstrar o quão a empresa se encontra comprometida com esta mudança. Desta forma a Apple passará a produzir os seus próprios ecrãs, uma manobra que certamente baixará o preço de produção requerido para tal.

Talvez queiras ver:

Samsung prevê a venda 60 milhões de unidades do seu Galaxy S8 este ano

Asus Zenfone Pegasus 3S apresentado oficialmente bateria de 5000mAh

Razer em apuros na CES 2017 após assalto ao seu “Stand”

Via9to5 mac
Fontedigitimes

O gosto por tecnologia foi algo que esteve sempre dentro de mim. Com o crescer do mercado dos smartphones, também o meu entusiasmo com os mesmos aumentou. Já nos tempos livres, as séries são o meu principal mata-tempo.